PEtER HuJAR - Banco do Brasil

Comments

Transcription

PEtER HuJAR - Banco do Brasil
melas
La
id
v
Da
r
e
n
Bruce Con
Andy Warhol
ennis Morris
D
z
ic
w
o
r
a
n
j
David Wo
Linder
id
e
R
ie
m
Ja
s
onster
Destroy All M
ethorpe
l
Mapp
t
r
e
b
o
Peter Hujar R
hen Shore
p
e
t
S
h
t
e
m
a
n
ronald
da
liché – Ecos
am I am a C
nt
se
re
ap
il
X-Ray
o do Bras
da banda punk
Cultura e Banc
uma música
de
Ministério da
o
ul
tít
o
to
ovimen que
e recebe
norama do m
exposição qu
pa
,
nk
um
pu
az
tr
ca
a
ti
ostr
esté
tal.
imagens, a m
cultura ociden
o de vídeos e
ormações na
sf
an
tr
ou
Spex. Por mei
oc
ional de Arte
s e prov
do Museu Nac
rbio de Londre
e,
bú
gn
su
vi
La
no
a
m
eu
nasc
dora Em
d´Arles,
Rencontres
adas pela cura
s
on
Le
ci
le
do
se
e
s
u
ra
pido
As ob
em simbólica
l Georges Pom
com a linguag
entre Culture
e
C
I
-s
C
ar
iz
/C
ar
na
ili
er
m
Mod
de de fa
s da música
ram os limite
o a oportunida
ic
sa
bl
as
pú
ap
tr
ao
ul
ecos
oferecem
s como Andy
imento cujos
hos de artista
esentar o mov
al
pr
ab
re
tr
ra
em
pa
a
a
usad
refletid
e Conner
s Morris, Bruc
. Transgressão
ni
to
en
en
D
,
am
rt
er
po
nd
id, Li
e do com
ith, Jamie Re
horpe, Patti Sm
et
pl
ap
M
l,
ho
o do
War
Cultural Banc
.
punk, o Centro
ca
ti
té
as
es
ad
e Peter Hujar
da
ri
– Ecos
s mais va
am a chiché
valorização da
a
e
e
ad
id
Ao realizar I
rs
momento
com a dive
xão sobre um
compromisso
fle
u
re
se
a
a
rm
ra
afi
pa
ribuir
Brasil re
perando cont
s culturais, es
õe
aç
st
ife
an
m
culo XX.
cultura do sé
marcante da
o do Brasil
ltural Banc
u
C
o
tr
en
C
5
6
o I am a
ex, a exposiçã
Sp
y
Ra
Xnk
pu
os
ica da banda
tética punk. D
título da mús
s dentro da es
se
fo
or
am
Inspirada pelo
et
e suas m
Smith capus da imagem
icos de Patti
at
ôn
st
ic
o
a
os
at
or
tr
pl
s
aos re
Cliché ex
Reid aos vulto
Andy Warhol
vas de Jamie
silenciosos de
si
s
er
st
bv
Te
su
en
ns
re
Sc
Conner à
tocolage
os por Bruce
horpe; das fo
ad
et
ul
pl
ip
ap
an
M
m
r
e
po
sMorris
turados
de seus pede
o por Dennis
do rock caídas
icados no palc
cl
as
s,
el
tr
do
ci
es
or
de
no
st
di
ensas
as de poses
de shows susp
r David Lamel
Hujar às salas
r
te
ssa
Pe
apropriação po
de
s
solada
ssonância de
ens urbanas de
o e caixa de re
ag
lc
is
pa
pa
a
s
rn
da
;
to
is
ta
i, a imagem se
na Bitner. Aqu
l.
e”,
tempo de Rho
r Richard Hel
d Roll Swindl
reat Rock an
ion cantada po
“G
at
er
um
en
o
G
m
k
co
an
m
Bl
sim co o
nsiderado
McLaren, mas
não é mais co
lm
co
nk
al
pu
M
O
va
alifica
uma estética.
’n’roll como qu
ografia definem
aude do rock
fr
on
ic
de
e
an
os
gr
st
ta
po
es
s, pressu
nal, escura,
s fundamento
nal, internacio
jo
gi
cu
ar
to
“m
en
o
m
im
u co
inum mov
ge a descreve
pode parecer
punk Jon Sava
uando o rock
Q
.
do
o”
fo
gr
ra
ne
óg
bi
or
O
njugando
a de hum
gia do punk, co
er
trangeira, chei
es
en
,
a
,
da
da
na
an
ie
al
propag
tribal,
speitado pela
os.
cotidiano e re
ao
o
ad
tistas e músic
or
rp
co
a por vários ar
ad
iv
at
re
é
o,
ersã
humor e subv
umovimento m
a força de um
er
nd
ee
pr
m
sua validade
pode-se co
muito tempo
dessas obras,
e
nt
és
ra
av
du
tr
A
eu
o/
escond
ismo de atraçã
o de fachada
am um mecan
o cujo niilism
er
tic
s
tís
ol
st
ar
e
Pi
l
x
ca
si
confirma
l. “Os Se
para a ação”,
rança cultura
ar
he
ss
ca
ri
pa
a
a
iti
um
e
rm
se pe
do
estética
r infernal que
s. A explosão
do de um pode
oy All Monster
tr
ta
es
do
D
ão
nk
ls
pu
pu
re
s 80, com
da banda
70 e início do
s fundadores
os
do
an
s
um
do
y,
lle
al
fin
de
Mike Ke
a no Brasil no
em um desejo
ecoa com forç
etel Molotov,
m
qu
bé
Co
m
e
ta
il
nk
az
pu
a, Made in Br
Restos de Nad
bandas como
moventes e as
recem mais co
ra a ditadura.
pa
nt
e
co
qu
o
as
liã
tig
be
ên
re
as exig vozes an
punk, “essas
redutível de su
a
ir
e
tic
ad
té
id
es
al
da
qu
a da
Ecos
ssa
parte por caus
zem parte de
que nunca, em
tes artistas fa
es
do
”,
as
po
or
m
ad
te
st
su
Sex Pistols
ensas no
es, que liga os
ue estão susp
rq
ac
Tr
po
k
e
tic
rt
ps
pa
Li
.
em
cias, em
novo capítulo
r Greil Marcus
a resgatada po
evem agora um
et
cr
cr
es
,
se
os
ia
id
ór
un
st
re
hi
o. Eles, aqui
e ao dadaísm
à Guy Debord
Emma Lavigne
s em 2010
Pompidou em
ontres d’Arle
ânea no Centre
r Les Renc
po
contempor
da
arte
cria
de
Exposição
e conservadora
e - curadora
Emma Lavign
.
o.
da exposiçã
Percurso Sonoro
Paris, curadora
e criador do
urador
-c
co
anelle
Hébel, diretor
Thierry Pl
s - François
tres d’Arle
Les Rencon
H
R
A
W
Y
D
AN
8
Warhol que
a de provocar
av
st
go
”,
to
fo
uito
ar uma boa
roid, de uso m
é capaz de tir
ente sua Pola
m
al
ci
pe
“Todo mundo
es
,
re
como tratográfica
a máquina fo
inante carreira
um
sc
fa
a
a
av
su
rg
la
de
a
ngo
nunc
da qual
panhou ao lo
atriz a partir
e que o acom
anco, foi a m
br
e
o
os
et
mais simples
pr
ente em
mosos retrat
a, principalm
como seus fa
afi
m
gr
si
to
as
fo
s,
A
va
.
vi
tista
os com cores
ou seus retrat
Warhol invent
o uma interiatismo e send
reen Tests.
ed
Sc
im
u
os
,
se
os
m
ad
film
lação
otomaton, co
ne, muda a re
prévia do Ph
da numa cabi
oe
m
a
A descoberta
um
r
ri
pa
ssário ra a
o de inse
ciamento nece
limitada ao at
a
an
st
tic
di
tís
ar
de
ão
so
oces
venç
s e induz o pr
m as imagen
de Warhol co
ground flertam
Velvet Under
tica do outro.
té
do
es
os
ão
br
aç
em
ci
m
apre
filmaa dos cinco
o dos modelos
sts que realiz
uz a respiraçã
ad
tr
el
Os Screens Te
tív
ep
pr
fundo eto e
to imperc
filmagem, em
a. O movimen
a
afi
um
gr
to
de
fo
ke
a
ta
com
extensão
que lembra o
to. São uma
quadramento
em movimen
as
l
afi
gr
dos em um en
to
fo
como
cia de Warho
te iluminado,
sta a importân
en
ife
em
an
rt
m
fo
e
co
ta
is
bran
alho de retrat
a de seu trab
u.
cinematográfic
ador desse gr
Underground
lador e catalis
ário do Velvet
ve
es
re
pr
de
l
em
o
pe
m
co
ou o pa
vez temas
da, desempenh
pela primeira
vi
do
dú
an
m
at
se
tr
l,
l,
Warho
sa
a radica
transcreve es
bição artístic
rock a uma am
bana. Lou Reed
o
ur
o
e
nd
ad
ia
lid
al
,
na
po
a margi
fascinante
tirados de um
lecendo uma
os
be
ta
tic
es
tís
o,
ar
ic
e
s
ét
e po
Velliterário
discurso cru
sua época, o
frieza em seu
ignorado em
m
te
co
en
e
am
ad
pl
id
m
al
re
arhol. A
ais influengrupos que m
universo de W
s
o
do
m
co
um
e
o,
ad
nt
enta
priproximid
) tornou-se, no
seu lendário
nd (1965-1970
m a força do
co
ou
gr
te
er
en
nd
lm
U
t
pa
ve
por Warhol.
ck, princi
história do ro
ico, produzido
N
da
&
o
nd
rs
ou
cu
gr
o
Under
, de
ciaram
anos de 1970
67, The Velvet
sde o fim dos
lançado em 19
de
m
o,
bu
çã
ál
ira
ro
ei
sp
m
rência e de in
y Division.
ponto de refe
ide, R.E.M, Jo
ic
Su
,
O grupo foi o
ith
Sm
i
o Patt
e artistas com
muitas bandas
Emma Lavigne
Museum,
Andy Warhol
ção do The
ute
Instit
colabora
a
Com
um of Carnegie
, PA, a muse
Pittsburgh
HOL
os
d
i
n
U
s
o
d
a
t
s
E
9
OL
ANDY WARH
66.
19
,
Reed
: Lou
SCREEN TEST
Warhol
y
And
The
Cortesia de
urgh, PA, A
Museum, Pittsb
ute,
Carnegie Instit
Museum Of
, 2011.
vados
reser
Todos os direitos
10
ANDY WARHOL
ANDy WARHOL´S
EXPLODING PLASTIC INEvITABLE
(WITH THE vELvEt uNDERGROuND).
FILME DE RONALD NAMETH, 1966.
CORTESIA DE ARTSITEIN, ESTOCOLMO.
11
n
o
C
e
c
u
Br
12
em
nner - morto
nsas, Bruce Co
Ka
do
do
ta
no Es
do ambiente
em McPherson
1950, no seio
33
19
de
os
em
an
s
do
ci
no
Nas
o.
ecido
aterial reciclad
rnou-se conh
Francisco – to
a partir de m
n
s
Sa
da
ia
em
cr
8
0
es
ns
rt
ge
20
reco
de suas cola
, montagem de
ano, através
ental A Movie
m
ri
iva
pe
beat californi
ex
m
na
etrage
eia da rrat
o seu curta-m
reinventa a id
e
m
el
co
,
o,
gr
58
ne
19
o
Em
Em
o.
es B, em fund
ritmo frenétic
ticiários e film
y made em um
ad
re
s e,
s
tirados de no
en
ag
ag
sas im
rne à im en
a, exibindo es
evo e David By
D
de
as
ic
ús
cinematográfic
socia as m
guintes, ele as
es.
obra
seus filmes se
dos videoclip
senvolve uma
iderado o pai
ns
co
r
se
de
mental, ele de
ri
pe
ex
ta
as
como tal, po
le
sua cé bre
de cine
à sua prática
afia como em
te
gr
to
en
m
fo
la
a
le
na
ra
Pa
tio
ão da
lagens e ques
ou uma captaç
esenha, faz co
autorretrato
um
m
ze
substancial. D
du
que de
tossensível.
5), fotogramas
a de papel fo
lh
97
fo
(1
s
de
el
an
ng
A
gr
a
série
a punk,
nte de luz e um
rno da estétic
entre uma fo
abalho em to
tr
u
se
r
ca
aura do artista
fo
and Destroy,
ssou a
e o artista pa
V. Vale, Search
qu
ra
78
ito
19
ed
la
em
i
pe
Fo
iada
lt da
sta fanzine cr
cisco. Cena cu
m a nova revi
ns, em São Fran
de
ar
G
ay
uh
uh
colaborando co
o, o Mab ay
clube Mab
uco degradad
po
afias tiradas no
gr
um
e
to
o
fo
ic
as
ót
su
com
ns, UXA,
, espaço ca
d, The Situatio
s anos de 1970
en
do
Tr
e
fim
iv
at
do
eg
ra
N
e
, Roz of
contracultu
a cumplicidad
The Avengers
ente refletem
bandas como
bi
u
be
am
e
ce
ss
re
de
ns
a
tir
Garde
daísta
as que Conner
cente e pós-da
o. As fotografi
ergia incandes
en
a
e
at
Toni Basil e Dev
be
o, famoso por
geração
o do grupo Dev
este artista da
o
e
m
tr
co
en
e,
e
nt
nt
le
te
so
exis
ou o humor in
lling Stones.
, dos quais capt
faction dos Ro
tis
desses músicos
Sa
de
a
ad
iz
po de batalha,
an
m
ica e desu
ra em um cam
ân
er
ec
gu
m
ão
de
rs
o
af
ve
do
sua
o um fotógr
ens o que, além
sas fotos com
urar em imag
pt
ca
ra
Conner tira es
pa
de
s
os
cu
dos corp
reil Mar
nas misturas
ificada por G
e
al
s
qu
ha
i
fo
an
,
tr
nk
en
s pu
nas
rais de
performance
lagens escultu
s estridentes
Com suas co
o.
zi
va
barulho e da
do
o
geraçã
esses cometas
homenageia
ncio” de uma
er
ilê
nn
“s
Co
o
,
ic
is
át
po
dram
úsicos
ase 20 anos de
o odes aos m
995), feitas qu
ny Strike, com
hn
Jo
x,
Fi
an
e
Dead Ashes (1
ki
to burn out th
illiams, Fran
g: “It’s better
como Ricky W
un
is
Yo
ta
l
,
ei
nk
N
pu
de
o
do
.
lema, o mesm
r aos poucos”)
tinham como
e desaparece
que também
qu
do
ar
m
ei
qu
(“É melhor
to fade away”
Emma Lavigne
zada com a
Exposição reali
o da Michael
colaboraçã
.
y, Los Angeles
Kohn Galler
r
e
n
n
os
d
i
n
U
s
o
d
a
t
s
E
ER
BRUCE CONN
, 1978.
Uxa
:
De Detroit
Michael Kohn
Cortesia de
Angeles
Gallery, Los
13
m
a
L
d
i
v
a
D
14
ros da arte
um dos pionei
é
as
el
m
La
id
em
os Aires, Dav
para Londres
46, em Buen
a, se muda
in
nt
ge
ar
Nascido em 19
a
artístic
variedade
a uma grande
chave da cena
us
ra
id
gu
av
Fi
D
.
.
al
rt
a
of A
conceitu
nstruindo um
artins College
ao cinema, co
tuda na St. M
ce
es
an
de
m
on
or
,
rf
68
ia
pe
19
nas míd s
ação, da
da informação
grafia à instal
to
ão
fo
pç
da
ce
re
s:
e
ia
issão
eios
de míd
os da transm
s seletivos m
tiona os term
no centro do
es
em
qu
ag
e
gu
qu
lin
ra
a
ob
o espaço e
as, colocando
o
contemporâne
, onde analisa
táculo, de 1967
pe
.
es
os
do
tic
e
tís
tr
ad
ar
A socied
social en e
uma relação
uy Debord em
as
G
m
o
s,
m
co
en
ag
im
Ass
ão
de im
de midiatizaç
é um conjunto
rói o sistema
petáculo não
st
es
on
“o
sc
de
to
an
as
nd
qu
on Frie s
s”, Lamel
s séries Lond
pelas imagen
da
o
da
nd
ia
ai
ed
tr
m
ex
,
s,
ural
es e
pessoa
a linguagem pl
a, celebridad
grafia como um
grafia de mod
to
to
fo
fo
a
da
do
s
an
go
us
s os códi
seus amigos
que registre
e Violent Tape
a
ar
od
St
m
ck
de
Ro
o
,
graf
(1973)
ndo a um fotó
ck e até pedi
s).
nd
ie
estrelas do ro
ma, que se
ndon Fr
trelas pop (Lo
grafia de cine
to
es
fo
em
da
ss
fo
em
se
ag
uma
como
mbém o lingu
tos, gerando
ro, explora ta
pop. Estas fo
ra
ltu
cu
Como pionei
ck
da
Ro
a. Em
no mundo
undo da mod
tica à parte
m
té
no
es
n
a
to
um
ew
N
ipos
tornou
as por Helmut
dos os arquét
bastante usad
o encarna to
ri
óp
pr
e
o
el
,
ficção, foram
, de 1974
para analisar
Appropriation)
os ao vento,
id
er
pr
ct
m
ra
co
ha
s
(C
lo
be
Star
itude
se no palco, ca
guagem da at
rock em êxta
oduzindo a lin
pr
re
,
em
ag
dos ícones do
um person
da época. Todo
sformação de
ltura inglesa
cu
an
tr
da
de
a
a
so
er
es
proc
astro
agem
m, como um
res e esta im
ava em Lond
to minha assi
fo
a
um
ar
do
tir
pop. “Eu mor
avid, lembran
tão eu quis
e!”, detalha D
ser assim. En
ad
ia
rd
er
ve
qu
a
é
do
to
ento
mun
to. Porque a fo
ade é um mom
sou isso na fo
vertido, a verd
in
to
fa
do rock. E eu
de
o
mundo
terrorism em
Debord: “Num
and, sobre o
H
de
e
e
Th
is
ál
e,
m
an
fil
a
u
para
outr
m alimenta se
a Los Angeles
mática també
que retorna
ck
ro
do
.
o
falso”. Esta te
tr
en
de um as
tretenim to
mundo do en
e a trajetória
do
gu
se
do
ci
e
re
qu
,
pa
sa
1976
pois de ter de
o, dez anos de
voltar ao palc
Emma Lavigne
ção da galeria
Exposição reali
colabora
zada com a
uxelas.
Jan Mot, Br
s
a
l
e
m
Argentina
15
AS
DAVID LAMEL
haracter
(C
Rock Star
), 1974
Appropriation
y,
Jan Mot Galler
Cortesia de
Bruxelas.
n
j
o
W
d
i
v
a
D
16
passa sua vida
Wojnarowicz
id
av
D
,
ei
rs
todas
nk, Nova Jé
jada na qual
54 em Red Ba
recida e enga
fu
en
ra
Nascido em 19
ob
a
escrita, são
uindo um
l, da pintura à
1992 – constr
ta
en
em
m
u
ri
re
pe
or
ex
m
ma
– ele
mente
grafia ao cine
ade rigorosa
ticas, da foto
numa socied
r
ve
vi
de
ia
as formas plás
tica em East
a urgênc
expressar su
onalidade artís
ra
rs
pa
pe
a
as
ad
um
a
oc
rn
conv
grafo
xual, ele se to
mante do fotó
ista homosse
os de 1980. A
an
s
do
na
restritiva. Ativ
ui
nch.
d nova-iorq
rn e Lydia Lu
na undergroun
n, Richard Ke
di
ol
eve:
G
Village na ce
an
N
m
m co
, quando escr
nviveu també
le um parceiro
ne
eu
ec
mo
nh
Peter Hujar, co
co
co
frase
ghs re
tografia, cada
William Burrou
fo
at
be
da
a
ca
et
a,
po
ur
O
pint
, nesse
e cria cada
com a morte
rowicz diz qu
confrontados
te
en
e
m
ta
“David Wojna
re
mos di
subversiva qu
a. (Quando so
rigosa, mais
pe
tim
s
úl
ai
a
m
e
a
ss
is
a co
se fo
alidade.
). Ele diz que
edade e da re
mos imortais
utura da soci
tr
es
a
te
momento, so
en
ver claram
r é observar e
podemos faze
parece”.
ética e a
mos, ela desa
nsibilidade po
ve
se
a
a
su
te
en
de
m
a
al
ci
onân
Quando re
a caixa de ress
uma narrativa
narowicz é um
al ele constrói
qu
na
),
79
19
A obra de Woj
ue (1978fotos têm
em Nova Iorq
aginária (as
ud
im
ba
fia
im
ra
R
r
og
bi
hu
uma
série Art
, Rimbaud em
capítulos de
em Chinatown
o diferentes
m
ud
co
ba
ca
im
R
áfi
,
gr
ite
foto
dia e no
tor de Uma
tida com o au
ud no Brooklyn
an
ba
m
im
ia
R
:
nc
os
vê
ul
o
a a coni
como tít
mossexualism
qualquer outr
através do ho
la mais do que
sa
ve
ro
re
lo
),
y
do
er
ia
w
Bo
a infânc
também a
refletindo um
fotografias é
,
o
de
rn
e
fe
ri
In
sé
no
ta
a. Es
rto
Estação
edade aprision
, o rosto cobe
quanto a soci
r Nova Iorque
en
po
,
o
ta
nd
er
ga
lib
va
e
qu
artista
torretrato
ormance, a do
, como um au
rf
71
pe
18
a
um
em
a
de
et
do po
memória
.
e Carjat tirou
os pela poesia
a que Etienn
afi
gr
to
século e unid
fo
la
um
r
pe
po
s
z compõe
do
ra
w
mens sepa
id Wojnaro ic
ho
av
D
is
,
do
io
e
íc
tr
ip
en
prec
uma
híbrido
io À beira do
e política de
uscular ensa
írica, poética
on
a
fic
rá
Em seu crep
og
prosa que
essia ge
inoso de uma
mo uma trav
ig
co
rt
fia
ve
o
ra
tm
og
ri
bi
o
al
a com
sua auto
ds e o texto fin
ia é combatid
al a homofob
ato em 23 roun
qu
tr
re
na
or
a
ic
ut
A
ér
m
em
A
stória, como
a de AIDS.
sua própria hi
um amigo vítim
de
as
te
submerge de
or
m
a
s justas palavr
e narra
ntrou as mai
Precipício, qu
co
do
en
ira
te
Be
en
À
de
am
de
ari cert
esse po r
s Félix Guatt
icz têm todo
cê
w
an
ro
fr
na
o
oj
of
W
ós
id
O fil
Dav
“As obras de
r seu talento:
ve
re
sc
de
ra
pa
teira.”
de sua vida in
porque provêm
Emma Lavigne
zada com a
Exposição reali
y,
O•W Galler
o de P•P•
colaboraçã
.
Nova iorque
z
c
i
w
naro
s
o
d
i
n
U
s
o
d
a
t
Es
17
ROWICZ
04.
DAVID WOJNA
, 1978-79 / 20
ud in New York
Rimba
ur
Arth
of David
The Estate
ue
Cortesia de
y, Nova iorq
Galler
z e P·P·O·W
Wojnarowic
]
[todas as fotos
18
19
20
21
o
M
s
i
n
n
De
22
glaterra em
ca, chega à In
ai
m
Ja
na
n
to
os
1961 em Kings
adas aos 11 an
s, nascido em
s suas fotos tir
da
a
m
U
e.
Dennis Morri
ad
anos de id
a realmente
usical começ
tografar aos 8
m
fo
o
a
af
a
gr
eç
tó
m
fo
co
de
de
1965 e
r. Sua carreira
as fotografias
no Daily Mirro
uma turnê. Su
a
em
ad
ic
lo
bl
ápu
nh
i
fo
do reggae
ra acompa
orte do ícone
m
Bob Marley pa
a
é
de
at
ite
73
nv
19
co
sde
mo
com o
quem segue de
que encoraja
The Wailers, a
s são as fotos
&
ta
y
Es
le
.
ar
iro
M
te
b
in
Bo
mundo
o oficial dos
e famosas no
ser o fotógraf
-s
ra
am
pa
ar
s
rn
ri
to
or
,
M
nis
em 1981
a convidar Den
s.
Johnny Rotten
ae
gg
re
Virgin Record
de
lo
fã
essar sua
ram com o se
na
si
as
livre para ac
e
qu
am
ix
m
si
de
as
o
s,
e
ol
qu
st
sem
Sex Pi
dos músicos,
metralhando
mesma idade
o de 1977, os
an
o
do
Dennis tem a
to
e
desse grupo
e durant
e banalizada
a. Ele os segu
al
ic
ci
ót
ofi
ca
a,
ia
ic
nc
públ
existê
banda
uma imagem
entoado pela
em construir
to e o slogan
in
st
in
u
se
se preocupar
be anarchist,
seguindo
me, I wanna
verente, mas
na
re
ir
a
e
t
a
ha
st
w
la
a
y, oh
iconoc
na be anarch
ious usando um
anarchy, I wan
, como Sid Vic
os
ic
át
em
r,
bl
ie
“I wanna be
ld
wn So
clichês em
de The Unkno
y”. Fotografa
o
ro
tir
st
do
de
o
ed
ec
ss
ao
Get pi
rison
em que carreg
para Jim Mor
o arma - imag
fuzil apontado
um
o
m
co
guitarra com
a
an
a guitarr
como fr co
rieger usa su
itória de Sid
K
on
de
em
on
,
pr
rs
ão
oo
ariç
dos D
os do
talizando a ap
grafou os víde
palco – imor
também foto
e
El
.
e
dl
in
morrendo no
ino Unido, até
and Roll Sw
na Suécia, Re
e Great Rock
ês
rn
Th
tu
em
as
r
su
do
e
atira
rco no Tamisa
plode.
a viagem de ba
de o grupo ex
on
,
grupo, a famos
78
19
em
,
emunho único
os
ecem um test
Estados unid
er
of
os
s
ra
no
pa
as
a
id
sua
stols,
essas fotografi
ção dos Sex Pi
livro Destroy,
ois da separa
ep
D
o.
Publicadas no
çã
ta
ia
es
os, Mar nne
l de cont
afa, entre outr
imento cultura
gr
to
ov
fo
m
e
se
nd
es
la
e
o,
Is
sobr
r artístico na
u próprio grup
torna-se direto
músico cria se
o
nd
se
o
a,
m
ud
Dennis Morris
es
ag
. Ele m
política
Jones e Tricky
a consciência
s
um
ce
m
ra
G
co
b,
ll,
fu
du
Faith
as ecoam e
k, reggae e
Hard Work. El
tura post-pun
e
is
n
m
e
tio
ra
qu
ig
5,
m
t
ot, Im
e
Basemen
e a comunidad
nções como Ri
tes em suas ca
biográfico sobr
to
en
id
au
ev
ho
,
al
el
ív
ab
tr
sens
emocionante
ing Up Black.
onância com o
60/1970, Grow
19
de
os
an
entram em ress
s
-Bretanha do
rantes na Grã
negra de imig
Emma Lavigne
Impressões
realizadas
, Londres Com
por Ltd Limited
çao de Dennis
a colabora
Morris
s
i
r
r
o
Reino Unido
RIS
DENNIS MOR
y Rotten),
(aka Johnn
John Lydon
.
77
19
,
, Suécia
Estocolmo
Dennis Morris
de
Cortesia
RIS
DENNIS MOR
Sid Vicious,
.
, Suécia, 1977
Estocolmo
Morris
Dennis
Cortesia de
23
l
l
A
y
o
r
t
Des
24
s,
as abandonada
adores, fábric
or
m
m
se
a,
or
as. Mot
Cidade falid
s ruas desert
o resta nada.
espalhados na
t
De Detroit nã
le
ca:
ro
ev
Ch
negra ou bran
roços da
uito à música,
prédios, dest
m
de
u
de
as
aç
de
rc
a
da
ca
round er o
1970 a ci
. Mais underg
. Nos anos de
ra
C5
M
eg
e
nt
s
si
ge
de
o Stoo
pela
City se
otopunk com
ers, liderado
oy All Monst
n e o rock pr
tr
ow
es
ot
D
,
M
73
la
19
m
Ta
ado em
a convenção
e musical form
ao vivo em um
o
ão
tic
iç
ar
tís
ar
ap
o
ra
up
imei
coletiv
palco. O line
zeram sua pr
ora Niagara. Fi
m retirados do
nt
re
ca
se
é
sa
at
no
,
os
ne
ut
ve
dantes de
10 min
r quatro estu
durou apenas
po
e
o
qu
ad
os
rm
nh
fo
ri
é
tual
de quad
ragem concei
e Niagara.
a banda de ga
ren, Jim Shaw
Lo
ry
Ca
y,
lle
original dess
os, a música
Mike Ke
mentos divers
e de Michigan:
ru
ad
st
ld
in
cu
e,
fa
et
ss
da
ante
artes
tmicas, fitas ca
m o mais cort
ricas, caixas rí
shows mistura
us
Se
.
Guitarras elét
ee
Fr
odélica.
formances e
l, brutal e psic
com arte-per
ca
o
di
an
ra
ic
é
er
a
id
am
rock
ndo
produz
ando o punk
nda, preenche
ental, anunci
icada pela ba
bl
pu
é
a
im
rock experim
mics trash,
sta homôn
o científica, co
çã
es. Uma revi
m
fic
fil
de
de
B,
ão
es
film
projeç
.
inspiradas em
contracultura
com colagens
de ícones da
s
suas páginas
da
ci
or
tempo por
st
di
s
r
en
tituídos po um
as e imag
bs
afi
su
gr
o,
to
tiv
fo
,
le
as
co
pintur
antigo
aw deixam o
s Stooges e o
Kelley e Jim Sh
, guitarrista do
on
et
Em 1976, Mike
sh
A
n
ópria música
ada de Ro
qualificam a pr
er, até a cheg
es
ill
el
M
–
y
rr
nk
La
pu
e
vira
u’re
Ben
avis. O grupo
mo Bored/Yo
C5, Michael D
rto sucesso co
ce
um
do
am
a
er
baixista dos M
ic
s que tiv
fia caót
gravam single
mo a discogra
e
co
k”
m
oc
si
i-r
as
,
nt
or
ad
de “a
emorado
m de colecion
onsters é com
je em dia ite
Destroy All M
.
90
os
gonna die, ho
an
s
as do
resentada em
igens às reform
da qual foi ap
or
e
u
rt
de
pa
e
,
qu
th
o
ea
r D
grup
e, Hungry fo
ção itinerant
com a exposi
de Detroit.
do que resta
Arles. Isso é tu
Thierry Planelle
Impressões
realizadas
por Picto
s
r
e
t
s
n
o
lM
s
o
d
i
n
U
s
o
d
a
t
Es
S
L MONSTER
DESTROY AL
N
CARY LORE
.
Detroit, 1998
from
Greetings
Cary Loren
Cortesia de
28
retanha, no
oydon, Grã-B
Cr
de
io
rb
bú
ta de
em Shirley, su
i um jornalis
sceu em 1947
o. Seu pai fo
ic
lít
po
to
Jamie Reid na
en
itê dos 100,
envolvim
ensa do Com
ília de forte
m
pr
fa
im
a
de
um
or
de
ss
coi asse
berço
to nuclear no
seu irmão fo
Daily Sketch,
o desarmamen
ra
nt
co
m
va
esquerda do
ntes que luta
ativistas milita
formado por
colm
utor punk Mal
1960.
o futuro prod
o
m
co
ol
meço dos anos
ho
Art Sc
amento maou na Croydon
idores do pens
do
gu
tu
se
es
s
ie
bo
m
am
Ja
de. A
ntra em 1968
da universida
quem se enco
cional dentro
itu
st
in
de
da
McLaren, com
ri
uma confluênt e a auto
ciais usando
so
o establishmen
a
es
ac
çõ
at
en
e
rv
qu
inte
porísta
que defendia
68, exerceu im
Situacionista,
do em maio 19
an
in
lm
cu
,
do
Internacional
as
adotan o
e polític
signer gráfico
cais, artísticas
de
di
o
ra
m
s
co
õe
a
aç
rm
afi
cia de
rtazes
ie Reid. Ele se
s produzem ca
cia sobre Jam
manifestaçõe
as
ra
pa
e
tante influên
qu
tudantes,
em stencil.
gajado dos es
s, realizadas
da
ca
vocabulário en
ifi
pl
m
agitador,
si
rio de caráter
lagem, letras
itá
co
un
a,
m
afi
co
gr
ri
al
rn
.
usando se
Croydon um jo
situacionistas
ie Reid cria em
s intervenções
da
a
es
gl
in
Em 1970, Jam
ão
anto
lgando a vers
x Pistols enqu
an Press, divu
ra com os Se
bo
la
co
,
en
o The Suburb
ar
tã
aliza en o as
colm McL
punk Sex. Re
1976 por Mal
ja
lo
em
a
d
o
oo
ad
id
tw
Conv
um moienne Wes
como parte de
a estilista Viv
nk
m
pu
co
o
a
ge
vi
ri
u
di
a. “E
p
McLaren
esivos da band
es no Agitpro
, cartazes e ad
anos, com raíz
os
m
sc
ce
di
s
os
do
tim
s
úl
capa
dos
reu ao longo
tico que ocor
ionismo”.
vimento artís
tu
afias - como as
aísmo e Si ac
ad
D
o,
m
lis
iação de fotogr
ea
pr
rr
ro
Su
ap
é
no
at
o,
as
russ
rchy in the
recortad
, desde letras
a capa de Ana
ca
pa
áfi
m
gr
ta
es
ta
le
e
Sua pa
rteinha e qu
riências de co
o jubileu da Ra
l Beaton para
field e das expe
ci
rt
Ce
ea
H
ou
hn
tir
e
Jo
qu
as marcas
gem de
as de fotocola
. Este livro traz
ic
rn
cn
Jo
té
er
s
sg
da
A
a
e
ebord
es,
UK - deriv
1957, de Guy D
s/colecionador
ejam moderno
ro Mémoires de
“S
liv
:
do
ão
m
nç
te
ge
in
la
co
anças/mas
arações de
rde suas lembr
rn e suas decl
ua
Jo
G
e/
de
er
s
sp
ho
al
se
se de
a de
dos trab
as antigas/não
loca a estétic
oca”. Reid co
cê tiver pintur
ép
vo
a
Se
su
s/
à
eu
am
us
m
a, no meio
rrespond
. Sua fotografi
que elas se co
as
a
ic
ar
lít
/p
po
as
e
eas
m
ástic
m.
transfor
estratégias pl
siva da colage
centro de suas
agenda subver
no
da
e
o
rt
çã
pa
ia
z
pr
fe
ro
se
ap
ade, in rs, também
iar outra realid
cr
ocessos gráfico
ra
pr
s
pa
do
vo
ão
no
ilh
grafa de
do turb
rta, cola e foto
as.
a uma foto, co
tir
id
Re
mínimas ruptur
ie
m
Ja
ropriação nas
ap
da
ta
ís
da
rito da
indo este espí
Emma Lavigne
d
i
e
R
e
i
m
a
J
zada com a
Exposição reali
colaboraçã
/
o de John Marchant
Londres.
Isis Gallery,
29
JAMIE REID
Dolls, 1979.
Sue Catwoman
Londres.
Isis Gallery,
Cortesia de
Reino Unido
r
e
d
Lin
30
Reino Unido
mo
ling, pseudôni
s, Linder Ster
du
Lu
o
up
gr
no
embro do
nhecida s
Tornou-se co
e musicista m
l.
a
oo
tic
rp
ás
ve
pl
Li
ta
is
, em
e
Art
experimental
no ano de 1954
Linda Mulvey
rando música
tu
eu
is
sc
m
na
is
,
ca
er
ádi
nd
ra
Li
nda, lend
rformances
crua na Hacie
pelas suas pe
ito com carne
fe
sa
o
id
anos de 1970
st
ve
ar um
da dona de ca
estereótipos
chegando a us
a,
os
tic
m
ís
ra
m
ita
a
m
nç
na
da
ido.
as colagens di
a ser consum
anchester. Su
desejo pronto
de
no
to
rio local de M
je
ob
se inspiraram
, como um
o fetichizado
Schneemann,
e
le
ro
Ca
e
po
e de um corp
ída pelo EXPORT
, Linder é atra
Rosler, VALIE
ta
is
ta
in
ar
m
M
fe
o
m
to
Co
imen
sem
istas do mov
experimental,
tratégias ativ
o um campo
m
co
ce
an
m
modelo das es
perfor
itucional e o
semântico da
es com o inst
e
çõ
o
la
tic
re
tís
as
ar
su
l
e
a do
tencia
meio artístico
na privilegiad
nvencional do
discurso, a ce
do
r
ga
lu
o
a
o protocolo co
struído se torn
corpo, descon
e no
comercial. O
s que ela sent
to dos tabus.
dos Sex Pistol
a
gi
er
en
a
questionamen
e
de uma obra
sencial
a construção
catalisador es
ra
um
pa
é
a
id
nk
rt
pu
pa
O
de
Tate
76, é o ponto
exposições, na
chester, em 19
por inúmeras
da
ra
ag
ns
show em Man
co
us
ção ada
ta anos,
2007. A ilustra
r mais de trin
em
po
e
ue
nd
rq
te
Io
es
a
ov
N
que se
Man6 e na PS1 de
upo punk de
ndres em 200
1977 para o gr
em
a
iz
al
de
re
Modern de Lo
nu
a
t, que el
do corpo
ula a imagem
Orgasm Addic
ip
de
an
m
pa
a
ca
El
a
o.
para
s seios
o um manifest
is sorrisos no
zzcocks, é com
a, colando do
afi
gr
to
fo
chester, The Bu
de
a se encaixa
revista
rafia subvertid
rtado de uma
og
co
re
on
r,
ic
he
ta
ul
Es
m
o.
st
uma
de um
no lugar do ro
aos distúrbios
passar roupa
referindo-se
o,
sc
di
do
e um ferro de
a
e do tem
a originalidad
perfeitamente
fo dos
os sexuais.
nico e o biógra
r seus impuls
itâ
br
po
o
nk
ad
pu
in
m
do
era
homem do
ade visual da
dical”. Linder
bricar a identid
nk feminista ra
pu
ra
ei
im
pr
Ela ajuda a fa
como “a
o Howard
ge, a descreve
o de seu amig
va
up
gr
Sa
n
vo
Jo
no
s,
8), do
Sex Pistol
Real Life (197
volveu ao mes
rissey. Desen
capa do álbum
or
a
M
ia
s,
cr
ith
m
Sm
bé
7e
tam
ls (197
ocalista do Th
rie Pretty Gir
os para o ex-v
tagens da sé
on
m
to
fo
Devoto, e outr
as
o
ticas, com
as obras plás
She (1981).
mo tempo su
tiplicados She
ul
m
s
to
ra
et
autorr
2007) e seus
Emma Lavigne
por Circad.
parcialmente
Emoldurado
, Londres.
Louise Clarke
Cortesia de
31
LINDER
/ 2007.
77
19
,
Pretty Girls
,
Louise Clarke
Cortesia de
]
fotos
as
Londres. [todas
32
ujar
1987, Peter H
, falecido em
ei
rs
Jé
a
ov
N
Trenton,
Nan Goldin
o em 1934 em
spiração para
id
in
sc
de
na
e
o
nt
af
Fo
gr
Fotó
icana.
em
tografia amer
a tradicional
história da fo
o da fotografi
m
na
is
co
al
ar
rm
m
fo
te
um
é
am, Susan
o elegan
erce Cunningh
, ele combina
M
ng
de
ro
st
os
rm
an
A
m
id
te hu
e David
profundamen
u amante Dav
aos retratos
rquina, de se
co
-io
an
va
br
no
e
a
o
tic
et
pr
na artís
applethorpe.
amigos da ce
até Robert M
l
os
ho
tr
ar
ou
W
y
de
nd
,
nda
Sontag
desde A
quarteirões ai
de amizades
e de círculos
a noite pelos
z
a
ic
ei
w
gu
ro
va
na
oj
ar
W
80, Huj
t’ da Leroy
e início de 19
‘meat marke
70
do
)
19
m
de
ué
al
ng
fin
ni
e
No
de
s solitárias qu
’s land” (terra
tos de pessoa
ados, “no man
fo
nt
m
üe
co
eq
e
fr
m
ad
al
m
e anda
ns da socied
ndenados qu
ndo as marge
a e outros co
ru
de
aa
es
Street, mapea
nt
di
s. Hujar capt
ridão, pe
s exacerbada
rdidas na escu
ha
pe
lin
am
de
ei
as
gu
ru
va
ração dessas
.
bulos na abst
daços de vida
0),
como sonâm
rasgada por pe
fim
m
and Death (197
se
ite
rtraits in Life
a dessa no
Po
rd
u
su
se
ia
od
em
a
el
m
ressecados
morte – vist
ek, de corpos
Th
mbrada pela
ul
so
as
Pa
ra
ta
tis
ob
a
Su
o do ar
-se o
scoberta, junt
rmo - tornou
inhos de Pale
lembra sua de
ch
pu
Ca
s
do
no qual ele re
er Deathbed,
onastério
Darling On H
cumbas do m
y
ta
nd
ca
s
Ca
na
S.
ID
63
A
em 19
grupo
dizimada pela
i usada pelo
uma geração
s 26 anos, fo
ao
da
ci
le
fa
testamento de
o o líder da
Factory,
rd Now. Com
super star da
Bi
a
da
m
a
A
afi
I
gr
m
to
a
álbu
sua fo
ra a capa do
quis dizer com
e Johnsons pa
o que sempre
do
tu
ta
e
en
tr
es
Antony and th
en
vemos
ta foto repr
Nesta foto, a
o.
“Para mim, es
sc
a:
di
ar
eu
cl
m
de
a
s no
dia.
band
as encontrado
mas ainda irra
repleta de tem
o. Ela afunda,
lin
cu
as
m
e
o
ue
música. Ela é
a mais. Q ro
tre feminin
mim tem algo
da e morte, en
vi
ra
s:
pa
do
as
un
m
,
m
orte
ntro.
dois
pentina da m
radia lá de de
a chegada re
te belo que ir
en
m
sa
en
im
A foto mostra
ura, há algo
não é só obsc
imental ali.”
dizer, esta foto
piritual e sent
es
to
ui
m
de
e há algo
E eu acho qu
Emma Lavigne
r
e
t
Pe
ue.
zada com a
Exposição reali
colabora
ção de Matthew
y, NOVA iorq
Marks Galler
33
r
a
j
u
H
R
PETER HUJA
74.
19
,
on Her Deathbed
Candy Darling
ve e
Hujar Archi
Peter
The
ue.
Cortesia de
iorq
va
Gallery, No
Matthew Marks
s
o
d
i
n
U
s
o
d
a
t
Es
S
n
e
h
p
e
t
S
34
infância
fotografar na
ue, começa a
rq
Io
a
ov
N
1947 em
es de se tornar
e, nascido em
ker Evans. Ant
al
W
de
,
s
ph
Stephen Shor
ens dos
Photogra
vastas paisag
ro American
as
liv
r
o
re
re
or
ob
rc
sc
pe
os
1970 e
quando de
i um dos únic
na década de
Places, ele fo
emblemático
on
a
m
st
ri
om
lo
nc
U
co
um
65 e 1967,
sua série
talizadas em
arhol entre 19
or
W
y
im
s,
nd
A
do
ni
de
U
ory
Estados
rmente a Fact
Nova Iorque.
uentar regula
derground de
eq
fr
un
a
do
os
o
af
sm
gr
co
fotó
a decisiva
se micro
aram de form
o e branco es
ci
et
en
pr
flu
em
in
r
o
ra
letiv
n
e a regist
neste ateliê co
áquina, Stephe
e gravitaram
como uma m
ar
nt
pi
a
av
Os artistas qu
arm
distanci
arhol, que afi
a”, um certo
. Tal como W
de indiferenç
s
ai
in
“s
o seu trabalho
sa
ui
ade.
sua pesq
a pela banalid
no centro de
os, uma busc
ad
Shore coloca
af
momengr
to
fo
ram captar um
s modelos
pe
ao
o
es
o
çã
la
nã
re
s,
re
la
rio,
mento em
intervalos regu
eliê comunitá
emáticos, em
vida desse at
da
al
ci
en
Os cliques sist
qu
ra se
nd. Suas
õem uma leitu
lvet Undergrou
op
Ve
pr
de
as
s
m
io
,
sa
vo
s en
mto decisi
ial ao ritmo do
entender a cu
u pulso essenc
que permitem
se
s
o
so
io
nd
ec
ra
st
pr
s
gi
re
emunho
amos feitos
iando são test
ctory. “Nós ér
sa
Fa
en
da
o
up
ão
ri
gr
fit
o an
esfotos do
tre o Velvet e
ecermos, corr
s de nos conh
intercâmbio en
te
o
e
an
s
e
ita
ad
id
cr
ic
es
pl
de de ser
nções,
temas das ca
u a oportunida
s
de
O
s
o.
no
tr
y
ou
nd
o
A
.
filmes
um para
tema de seus
eitamente ao
rf
pe
m
ia
nd
po
ground”.
o Velvet Under
Emma Lavigne
Exposição reali
.
Gapihan, Paris
por Jean-Pierre
ue
zadas
va iorq .
Molduras reali
Gallery, No
o com a 303
çã
zada em colabora
e
r
o
h
S
os
Estados Unid
35
.
ORE
ue, 1965-1967
STEPHEN SH
y, Nova iorq
, THE Factor
Andy Warhol
36
ORE
STEPHEN SH
,
Morrison, Nico
Sterling
,
Reed
u
Lo
,
, John Cale
Ari, Moe Tucker
65-1967.
va iorque, 19
No
y,
The Factor
(à direita)
Lou Reed, Sterling
John Cale,
65-1967.
va iorque, 19
No
,
Morrison
, 1965-1967.
ue
Nico, nova iorq
303 Gallery,
Cortesia de
fotos)
. (todas as
Nova iorque
37
38
ethorpe
, Robert Mappl
ue
rq
Io
a
ov
N
de
s fotografias
Park no estado
46, em Floral
steridade essa
po
a
ra
pa
do
Nascido em 19
, deixan
glorificam
te aos 43 anos
, ensaios que
en
te
an
am
di
ur
ra
at
ir
e
em
osidad
morre pr
ções florais no
anco de lumin
com composi
ndescente e br
em
ca
ag
in
o
im
et
a
pr
do
em
xual, dominan
sua beleza se
,
os corpos em
.
eceu em 1969
ith, que conh
smo soberano
ci
Sm
si
i
tt
as
cl
Pa
do
m
r
co
se
luga
ck que
o e artístico
poetisa do ro
oroso, poétic
iatividade da
cr
a
O diálogo am
As
o
nd
ta
instantâneo.
ua alimen
vida e contin
ueno poema”
a
eq
su
“p
a
ss
um
ve
o
ra
at
s retratos
r dia com
na tradição do
a Polaroid po
es
um
íz
r
ra
ze
as
fa
su
a
tem
em
propõe
ra musa punk
alemão Dürer
tira dessa futu
pelo mestre
e
os
el
ad
e
nt
qu
pi
s
s
to
fo
o feminino
torretrato
nk de um corp
mo alguns au
pu
co
,
do
ça
ta
en
is
sc
m
a
confor
da Rena
estética não
te, provocando
mo estandar
do a definir a
co
an
a
ud
en
aj
óg
0,
dr
0
15
ualidade an
ando sua sens
liberado, afirm
ra um muro de
magando cont
ndo o olhar.
es
fia
sa
se
r
de
ke
e
e
ac
nt
nb
le
Corps de
a Ricke
repete Patti em
o verso de um
r
”,
se
do
ci
ia
re
er
fu
qu
“Eu
rio en
as
de um noticiá
tava seus poem
, quando reci
e uma reprise
nt
73
ra
19
du
em
as
ra
dr
ei
s
pe
ante de
sua carr
produzia, isso
o começo de
se
do
ue
an
rq
br
Io
m
a
le
ov
re
N
ar.
Plane,
tica e punk de
e se apresent
toda cena artís
bir aos palcos
de
su
on
r
B,
di
G
ci
CB
de
e
le
no
lo “sp en
vision
lo grupo Tele
infuenciada pe
pe
ia
a
es
ad
po
fic
sa
ri
es
et
ecoa
tico
ficar el
o-circuito esté
ato fotográfico
nunca, o retr
beat. Este curt
as
et
po
s
do
Mais do que
irado por
nteante
m, Horses, insp
fraseado esto
bu
lo
ál
pe
ro
e
ei
”
im
no
pr
ia
seu
us
nerval
stra a capa de
ovocante: “Jes
a afirmação pr
tografia que ilu
um
m
co
a
eç
ém
explode na fo
que com
s de algu ,
m Burroughs,
pelos pecado
ia
u
ill
re
W
or
de
m
,
s
ys
su
(“Je
Wild Bo
ou-se,
but not mine”
se disco torn
ebody’s sins
e militante, es
o
ic
ét
po
,
died for som
do
spira
one da cena
s”). Intenso, in
horpe, um íc
eu
et
m
pl
s
ap
lo
M
pe
de
o
a
grafi
mas nã
anto pela foto
a música, qu
tanto por su
nte.
rquina emerge
punk nova-io
Emma Lavigne
p
a
M
t
r
e
b
Ro
.
Circad, Paris
em parte por
zada
de
reali
o
çã
Moldura
colabora
zada com a
.
Exposição reali
, Nova iorque
Foundation
Mapplethorpe
The Robert
39
PLETHORPE
ROBERT MAP
, 1978.
Patti Smith
The
de
Cortesia
Mapplethorpe
Robert
.
, Nova iorque
Foundation
e
p
r
o
h
t
e
l
pp
os
d
i
n
U
s
o
d
a
t
s
E
s
a
p
a
c
79
e
d
o
c
s
i
d
e
d
s
a
p
a
c
e
d
Coleção
o
c
s
i
d
e
d
e
l
l
e
n
a
l
P
y
r
r
e
i
h
T
e
d
e vinil
42
como um
obra de arte
e tanto uma
-s
ou
rn
oe
to
o
sc
de di
rio de criaçã
arhol, a capa
s, um laborató
fin
de
o
er
Com Andy W
m
os The Velmaior nú
capas dos disc
stinado a um
s
de
A
lo
s.
ta
tip
is
úl
rd
m
,
vangua
objeto
Rolling Stones
tísticas mais
1971, para os
suas idéias ar
de
,
s
de
er
o
ng
en
Fi
rr
s
y
te
do
o
pas
1967, e Stinck
vadiram as ca
nd & Nico, de
ráficas que in
og
on
ic
vet Undergrou
s/
ca
uisas gráfi
.
ho para pesq
pel importante
abrem camin
indo as técafia tem um pa
gr
to
fo
a
s
pias reproduz
ai
có
qu
to
s
fo
na
a
,
us
nk
s
,
vinis pu
(1980) de Cras
preto e branco
de Penis Envy
o a imagem em
nd
ta
al
ss
re
Assim, a capa
l,
um
e de
das por Warho
nk como part
ificação inicia
. “Eu via o pu
es
lh
es
ta
nicas de simpl
de
o
enuand
com suas raíz
últimos anos,
contraste e at
m
o
ce
do
s
an
do
tu
o
,
en
ng
lo
ac
ndeu ao
a Jamie Reid
o que se este
nismo”, explic
tic
io
tís
ac
ar
tu
Si
to
en
no
oe
cial,
movim
lagem comer
lismo, Dadaísm
sso, o Surrea
que uma emba
do
s
ai
M
s.
no Agitprop ru
ol
to das quais
Sex Pist
ar ideias, mui
as capas dos
ul
os
ic
m
rt
fa
“a
s
a
da
r
as
criado
stinad
rramentas de
tornam-se fe
complexas”.
essas capas
mo a utilizato teóricas e
ui
m
t,
en
hm
imagens, tal co
is
bl
de
o
ta
es
çã
ia
tipr
an
ro
inha
eram
lítico usa a ap
o oficial da Ra
artístico e po
rpora o retrat
co
in
e
qu
Este ativismo
s,
ol
Sex Pist
id. A estética
the Queen, do
veitado por Re
ro
ve
ap
Sa
re
od
e
G
s
ra
es
de
Expr
da pa
fotomontagens
icado no Daily
l Beaton publ
herdadas das
ns
ge
la
co
ir
s
m
feito por Ceci
da
su
nk de as
Yourself e
movimento pu
cada do Do It
di
do
in
s
iv
ta
re
tis
ta
ar
ia
tos
imed
úmedesejo de mui
ram criados in
ld, atende ao
distribuição. Fo
de
is
na
ca
John Heartfie
s
mones e os
ão e do
w ou New Hor
os de produç
Ra
ei
,
m
al
s
eg
do
Ill
le
e,
ro
ad
h Tr
o cont
, cujas
mo Stiff, Roug
& The Voidoids
pendentes, co
Richard Hell
de
n
io
at
ros selos inde
er
ocência, é um
Blank Gen
e perda da in
pa do álbum
ão
ca
iç
A
ru
s.
st
ck
de
co
to
Buzz
a crise.
o niilismo, au
antídoto para
de temas com
arência como
ap
a
um
a
canções tratam
nt
o, que inve
o dessa geraçã
manifesto únic
Emma Lavigne
é!
I am a clich
X Ray Spex,
up yours!,
Up bondage
, 1977.
unido
reino
Records/
Vernon Yards
.
Virgin Records
43
, White Riot
The Clash
, 1977.
reino unido
.
Records
S
CB
on
y Generati
, Gloria / M
.
Patti Smith
Records
, 1976. Artista
Estados unidos
.
Robert Mapplethorpe
fotógrafo:
the Queen
s, God Save
Sex Pistol
1980).
, 1977 (re-release
estados unidos
Reid.
Design: Jamie
Virgin Records
o
Iluminaçã
ão
te em Iluminaç
Ar
z
Lu
ço
pa
Es
Patrocínio
da Cultura
il e Ministério
Banco do Bras
os
Cenotécnic
Silva e
o
st
gu
Au
Alex
a de Oliveira
uz
Reginaldo So
o
Realizaçã
Brasil
ral Banco do
ltu
Cu
ro
Cent
o
conservaçã
Laudos de
Digital
a
gi
lo
eo
us
M
sPedro Mende
Curadoria
e
Emma Lavign
áfico
Projeto Gr
/ Magô Design
eida Déchery
En
+
r
te
So
e
Claric
ria
Co-curado
le
el
an
Thierry Pl
Gráfico
Produtor
o
in
lb
Sidnei Ba
Produção
ação
ra e Comunic
Forosul Cultu
original
Produção
ançois Hébel
es d´Arles - Fr
tr
on
nc
Re
s
Le
at
e Eva Gravay
46
o
Coordenaçã
i
m
za
Jo
e
lis
Mar
Tradução
Loana Baillot
texto
Revisão de
ães
Paula Guimar
executiva
Produção
Márcia Jardim
de imprensa
Assessoria
eúdo
Cereja & Cont
odução
Equipe de pr
rdim
a Reis, Linn Ja
Laércio Cost
ot
e Loana Baill
tura
noite de aber
Live set da
ho
Rodrigo Coel
o
de Produçã
Estagiário
in
Bruno Frankl
o e mídia
Sonorizaçã
e
ema de Som
st
GABISOM – Si
a.
ltd
s
s musicai
Equipamento
o
useográfic
Projeto m
e
Emma Lavign
trilha
Percurso
le
Thierry Planel
Textos
e
Emma Lavign
sonora
o de som
Engenheir
wicz
Philippe Wojto
onal
o internaci
Coordenaçã
r
ie
tt
Po
Marc
o
iluminaçã
Projeto de
del
Antonio Men
tos
Agradecimen
Huxley (Andy
ren, Geralyn
Lo
ry
Artsitein, Ca
alard, Jamie
m), Isabelle Ch
t
Warhol Museu
& Heidi Balle
llery), Jan Mot
Ga
.W
.O
.P
ew
(P
th
Sterns
Peabody(Mat
Mot), Jeffrey
ry,
(Galerie Jan
ant (Isis Galle
ch
), John Mar
ser
m
Su
a
Marks Gallery
ur
e La
, Michael Kohn
out
St
d
Louise Clarke
ar
W
el
Gallery), Micha
(Michael Kohn
plethorpe
(Robert Map
an
e Joree Adilm
llery)
Ga
03
(3
Kim Lane
Foundation),
47
48
Realização
Exposição criada por
Les Rencontres d´Arles
em 2010

Similar documents