Nº 24 fev., mar., abr., mai. e jun. 2014

Comments

Transcription

Nº 24 fev., mar., abr., mai. e jun. 2014
Nº 24 fev., mar., abr., mai. e jun. 2014
ÍNDICE
O DIVULGADOR
2
Contra capa
3
Editorial
4
Unidade de Ensino Especializado
6
Decoração da Páscoa
7
Eco HBG
8
Clube Europeu
Número 24
fev., mar., abr., mai. e jun. 2014
10 Desporto Escolar
FICHA TÉCNICA
14 Clube Viver a Vida
16 Projeto de Educação Financeira HBG
A Presidente do Conselho Executivo
Fátima Teles
18 Visitas de estudo
20 VI encontro Regional de EMRC
Coordenação
Daniela Correia
Filomena Sousa
Colaboração
Toda a comunidade escolar
Design Gráfico
21 Simulacro de Incêndio
22 Diverte-te com a Ciência
Exposição: Relevo, Vulcanismo e energias
23 renováveis
24 Escola Saudável
26 Parlamento Jovem Nacional
Filomena Sousa
29 Cantinho da Literatura
Periodicidade
36 The English Time
Semestral
37 História e Geografia de Portugal
Propriedade
Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos Dr.
Horácio Bento de Gouveia
38 Cantinho dos Artistas
45 Gincana Cultural
46 Concurso de Fotografia
47 Clube de Fotografia
2
EDITORIAL
Esta revista é um dos muitos projetos da nossa escola, que se
preenche de outros projetos e que nos enche de orgulho!
Páginas que nos retratam a atividade vivida intensamente por
toda a comunidade educativa e que extravasa, e muito (!) a
“componente letiva” que o nosso Sistema Educativo tanto valoriza.
Só consigo ver a (nossa) Escola como um “espaço artístico”
onde se ensina a pensar o mundo de maneira autónoma e de modo
crítico… onde todos têm a possibilidade de aproveitar as suas
potencialidades e reconhecer as suas limitações (por vezes muito
difícil de se conseguir). Na verdade, o desafio constante de apontar
estratégias de superação, ensinar a apreciar os outros, poderá cultivar o enriquecimento da personalidade. (Matilla, 2010).
Mantenho a convicção de que o nosso contributo é efetivo,
fruto da determinação e empenho, e do constante entusiasmo com
que encaramos a nossa profissão!
Este foi um ano particularmente especial nesta caminhada….
A nossa escola continua a apostar nesta perspetiva de formação dos
jovens. Jovens que tenham opinião, que participem adequadamente
nas decisões, enfim… que se transformem e façam a diferença! É
que esta visão exige aos professores e à comunidade educativa, em
geral, que se eduque para a vida!
Isabel Pascoal
3
Unidade de Ensino Especializado
A Escola Dr. Horácio Bento de Gouveia participou no projeto IPPON pela Inclusão, promovido pelo Clube Naval do Funchal. Este projeto visa incluir jovens com necessidades educativas especiais, sociais, financeiras ou geográficas na sociedade através do desporto, neste
caso o Judo.
Participaram nesta iniciativa 9 alunos da escola, nomeadamente alunos
da Unidade Especializada, uma aluna de CEI e um aluno do PCA.
4
Unidade de Ensino Especializado
5
Decoração da Páscoa
6
1.º prémio do 19.º Concurso “Uma Escola, um Jardim” da CMF
7
Clube Europeu HBG
Terminadas as últimas reuniões das parcerias multilaterais Comenius agendadas para o corrente
ano letivo, é tempo de balanços.
À semelhança do sucedido em meetings anteriores, a escola Dr. Horácio Bento
de Gouveia (HBG) apresentou, na República
Checa e na Eslováquia, trabalhos de qualidade, desenvolvidos por alunos no âmbito dos
temas dos projetos, “Healthy Childhood,
Beautiful Life” e “Time Capsule, Viagem
das experiências passadas às expetativas
futuras”. Estivemos representados por 4 alunos, de 7º e 8º anos, que sobressaíram pelo
seu à vontade, pela capacidade de se integrarem, pela facilidade com que se exprimem
em língua estrangeira. Foram reconhecidos
por todos os parceiros pela sua simpatia,
educação, responsabilidade e cumplicidade.
A participação em programas desta natureza enriquece a ação educativa a diversos níveis e permite, também, levar a Madeira ao exterior e mostrar a diversidade
de argumentos da região; os alunos que tiveram oportunidade de representar a HBG em todos os encontros entre
parceiros, fizeram-no com supremacia.
Simultaneamente, os programas de parceria permitem conhecer outros países, outras escolas e outros professores. As atividades que se desenvolvem no contexto
destes programas são, em larga escala, realizadas em
colaboração com os parceiros de projeto, fomentando a
diversificação de experiências e de perspetivas, fator de
relevância quando pretendemos uma ação educativa que
forme cidadãos responsáveis e participativos numa sociedade moderna e desafiante.
O Clube Europeu HBG tem procurado promover o
espírito de colaboracionismo e entreajuda no cumprimento das tarefas e assegurar, assim, bons níveis de qualidade, e de envolvimento dos alunos. Chegamos ao final do
ano letivo com mais de cem alunos inscritos no clube.
Para o futuro, gostávamos de envolver mais professores, mais alunos, de aumentar o contributo do Clube
Europeu dentro da sala de aula; queremos continuar a
desenvolver parcerias que representem mais-valia para a
HBG e para a comunidade educativa, que contribuam
para a qualidade da ação educativa da nossa escola.
Uma palavra de reconhecimento ao Conselho Executivo
da escola Dr. Horácio Bento de Gouveia pelo apoio permanente, pelo acompanhamento e pela confiança depositada na equipa do Clube Europeu HBG.
8
O que disseram os alunos:
Ter a oportunidade de participar neste projeto e ir à
República Checa e à Eslováquia foi uma experiência muito enriquecedora, tanto a nível intelectual como a nível de
amizades feitas. É algo muito interessante, e tenho a certeza que venho desta experiência como uma pessoa mais
culta e curiosa sobre o que me rodeia. Se tivesse a oportunidade de repetir esta experiência, nem pensaria duas
vezes!
Maria Nuno, 8º3
Esta viagem foi uma experiência inesquecível, e de
certeza que todos os momentos que passamos ficarão para
sempre registados nas nossas memórias.
Passamos por muitos momentos divertidos, não só com portugueses, mas sim com adolescentes de diferentes países e
diferentes culturas, e aprendemos a crescer, a trabalhar em
equipa e a tornar-nos amigos inseparáveis.
Jhenyfer Simões, 8º6
Foram duas semanas maravilhosas, repletas de alegria
e carinho quer pelos professores quer pelos meus novos amigos. Fiquei a conhecer os diferentes costumes, não só dos
checos e eslovacos mas também de italianos, turcos, espanhóis, romenos e polacos. Conheci pessoas espetaculares de
quem nunca me esquecerei. Ficam também na minha memória as famílias que me acolheram e das quais sentirei muita
falta. Para finalizar, foi uma maravilhosa experiência que eu
nunca esquecerei!
Beatriz Silva, 8º6
Gostei imenso dos Workshops pois pude fazer
roupa tradicional, decorar broas, comer diferentes
iguarias e dançar a dança típica da República Checa.
Adorei a visita à mina de Branská Brystica porque
conseguir ver como era o trabalho dos mineiros antigamente. Em Kremnica observei a produção de moedas para todo o mundo. Fazer as apresentações pôs-me
um pouco nervoso pois não estou muito habituado a
fazer apresentações em inglês. Em suma, adorei esta
experiência.
Manuel Azevedo, 7º3
hbg.pt/ceuropeu.htm * facebook.com/
clubeeuropeuHBG
9
Desporto Escolar
PESCA DESPORTIVA
Cais do Carvão.
MERGULHO COM ESCANFRO
Quinta Calaça - Club Naval do Funchal
VELA - Varadouro de São Lázaro
MICRO MAGIC - Piscinas da Penteada
PADDLE BOARD
10
CANOAGEM Varadouro de São Lázaro
WINDSURF Varadouro São Lazaro
CAYAK PÓLO Piscinas da Penteada
11
1º Basquetebol -Inf.2 - masc
1ºVoleibol-Inic.masc
1ºFutsal-Inic.fem
1º-Voleibol-Inic.fem
12
1ºVoleibol -Inf.1-fem
Padrinho HBG - FDE
FDE-Abertura
FDE-Encerramento Campeões HBG
Atletismo
Arremesso de bola - 1º João
Afonso 5º6 _ 3º Martim Gouveia
80m - 1º Luis Barbosa 8º10 _ 3º João Pedro
Comprimento - 1ª Joana Viveiros 5º1
_ 2ª Filipa Berenguer 5º3
Comprimento - 1º-André Cardoso-5º6
3º-Guilherme Pestana-5º1
Altura - 2ª Lidia Gama 7º12 _ 3ª Ana
Marlene 7ºPCA
13
CLUBE VIVER A VIDA
O Voluntariado numa perspetiva de responsabilidade social.
VISITA DOS ALUNOS DA ESCOLA HBG À CASA SÃO JOÃO DE DEUS
No âmbito do Projeto de Prevenção das Toxicodependências (Atlante) e em
parceria com o Clube Viver a Vida (Educação para a Solidariedade/Voluntariado),
vários alunos de diferentes turmas e anos de escolaridades visitaram à Casa de
Saúde de S. João de Deus no 2º período.
As sessões começaram com a receção dos alunos e das professoras acompanhantes pelos técnicos de saúde de casa, seguindo-se a visita à Associação EntreLaços – local conhecido como Cantinho
do Coração, onde os doentes e os familiares desabafam os seus problemas e onde são feitos os cabazes para as famílias
carenciadas dos doentes ou ex-doentes desta instituição. Na continuidade, os alunos e as professoras conheceram algumas alas da Casa de Saúde, sendo depois conduzidos ao Auditório para assistirem a uma conferência subordinada ao
alcoolismo, na qual todos puderam ouvir os depoimentos de alguns ex- dependentes do álcool e do jogo.
Depois das conferências, seguiu-se um pequeno lanche na sala de convívio, onde os alunos puderam dar as suas opiniões
sobre a Instituição.
Num misto de emoções, a opinião era unânime: Tinha valido a pena fazer estas visita de estudo pelas partilhas e
dividendos que todos puderam sentir.
Os alunos teceram alguns comentários, dos quais transcrevemos alguns testemunhos:
“Um senhor obteve um diploma de mérito por não beber há mais de 25 anos” e ao recebê-lo ele estava tão emocionado,
que não parava de chorar”
“ Um outro senhor partilhou que os alcoólicos sofrem muito e que perdera a sua família por causa do álcool.”
“Um rapaz de 19 anos contou que arruinara a sua família, roubara aos pais, porque era viciado no jogo.”
“Havia um emigrante que quando vinha à Madeira fazia questão de contar que tentou se suicidar por duas vezes, porque
tinha muitos problemas por causa do álcool. Teve de fazer o tratamento da dependência alcoólica por duas vezes, mas da
2ª vez, prometeu a si próprio não voltar a beber. Atualmente, ele já conseguiu comprar uma casa. O senhor há uns anos
atrás não sabia o que era ter uma família, nem uma casa.”
“Foi uma sessão muito emotiva para todos.”
“Aprendi a respeitar um alcoólico.”
“Aprendi que a melhor opção de
vida é não ter vícios.”
“Aprendi que quando temos problemas, não devemos começar a beber
ou a fumar, porque não são soluções, mas sim problemas.”
“Felizmente que existem este tipo
de instituições que ajudam as pessoas a recuperarem a saúde.”
“Aprendi que é muito difícil, sair de
um vício.”
“Aprendi que o álcool mata a felicidade, a família e a pessoa.”
“Aprendi que na Casa de Saúde de
S. João de Deus não há loucos, mas
doentes!”
“Aprendi que um vício não se cura,
mas é um desafio para toda a vida.”
“Aprendi várias lições de vida com
os senhores que testemunharam os
seus casos.”
14
Participação do Clube Viver a Vida em mais uma Recolha de Alimentos da
Cáritas Diocesana de Funchal nos dias 3 de maio, no Pingo Doce do Dolce Vita, e 4 de maio, no Continente de S. Martinho.
Banco
Alimentar
Contra
a
Fome - Funchal - Recolha de
Alimentos no dia 31 de maio, no
Pingo Doce do Dolce Vita, e
Armazenagem, no dia 1 de
junho, no armazém do Banco Alimentar em Santo
António .
O Clube Viver a Vida na Marcha Solidária em
benefício da Associação Garota do Calhau,
no dia 25 de maio, junto ao cais do Funchal
15
Projeto de Educação Financeira HBG
2013/2014
Um dos objetivos do Projeto Educação Financeira é sensibilizar os
alunos para a mudança de atitudes
outubro:
e adoção de comportamentos ade-
«Arranja um mealheiro.
No poupar é que está o
quados no quotidiano, tendo em
ganho».
conta que ”No poupar é que está o
ganho” e que ”Quanto mais fácil for
pedir dinheiro, mais complicado
será devolvê-lo”.
Para adquirir hábitos de poupança,
novembro:
foram passadas mensagens em
espaço sala de aula e contamos
« Compra apenas o
que é essencial e não
também com a colaboração da Drª
o que é supérfluo».
Graça Moniz que veio a uma turma
desenvolver uma Formação: ”Como
poupar em tempo de crise”. Alargando a mensagem à Comunidade
Escolar foram divulgadas na página
eletrónica da Escola uma série de
Dicas mensais:
dezembro: “ Faz
contas à vida.
Elabora
um
orçamento familiar”
fevereiro:
“ Compara sempre os preços antes de
comprar qualquer artigo. Qualquer
compra deve ser sempre ponderada”.
janeiro:
«Minimiza os gastos. Faz uma
lista prévia, de modo a evitar
compras desnecessárias ou
por impulso».
16
março:
«Utiliza produtos de marca branca ou do
distribuidor , que são mais baratos e que
encontras em todas as cadeias de
hipermercados».
abril:
“Reconhece a importância
de não desperdiçar
alimentos”.
maio:
“Apaga a luz em ambientes
com iluminação solar e não
deixes os equipamentos
elétricos em standby”
junho:
“Não deixes torneiras a
pingar. Reutiliza a água que
puderes. Cada gota de água
perdida tem custos”.
Fátima Barreiro e Lígia Faria
17
Vi si ta de e st u d o
“À descoberta do Funchal”. Na
manhã do dia 27 de maio de
2014 a turma do 6.º 4 realizou
uma visita de estudo ao centro
da cidade do Funchal intitulada
“À descoberta do Funchal”, com
o objetivo de reconhecer rosáceas, frisos e padrões na cidade
do Funchal e conhecer o património local. A visita realizou-se
no âmbito da atividade interdisciplinar nas disciplinas de Matemática e História e Geografia de
Portugal. A turma foi orientada
pelos professores: Carlos Oliveira, Judite Silva, Nídia Freitas e
Vânia Rodrigues.
Cristina Sousa, Diogo Moço, Madalena Martins,
Martim Castro e Francisco Marques
18
Vi si ta de e st u d o
Engenho do Mel - Ribeiro Seco
A l u n o s d o o i t a v o a n o v i si t a m a f á b r i c a a n e x a à e sc o l a d i a 3 0 d e a b r i l d e 2 0 1 4
No mês de abril decorreram as visitas
de várias turmas do oitavo ano ao Engenho
do Mel localizado nas imediações. A atividade foi organizada por Geografia com a colaboração do Departamento de Ciências Físico
-Químicas e da Natureza. Esta saída visou
compreender o processo de fabrico dos produtos da respetiva empresa, conhecer determinadas tecnologias de engarrafamento e
perceber a importância da produção industrial
no tecido económico do Funchal, do interesse no investimento em publicidade e marketing e da necessidade de redes de distribuição local, nacional e internacional.
Os alunos foram guiados, pela fábrica, por
um dos sócios da empresa e seguiram, com
muita atenção, todas as explicações. Foram,
ainda, confrontados com questões colocadas
durante o percurso.
A turma cinco com as docentes: Ana Velosa e Marta Jani.
O final da visita de estudo culminou com
uma prova de xarope de cana e com a oferta de uma cana-de-açúcar, a cada um,
selecionada e preparada por um dos trabalhadores do engenho. Este constitui um alimento rico quer utilizado na culinária na
confeção de produtos que trazem benefícios para o ser humano, no equilíbrio químico e longevidade.
João Carlos Melim, sócio-gerente da
empresa, adiantou que espera atingir a
receção de mil e duzentas toneladas de
cana-de-açúcar, o que representará cerca
de 80 mil litros de mel. De assinalar que a
Fábrica tinha lançado, em 2012, um novo
produto biológico, comercializado em frascos de 450 gramas com um rótulo próprio,
que pode ser encontrado numa rede de
supermercados.
30 abril de
2014
Dados:
1200 toneladas
de cana de açúcar
80 mil litros de
mel
2 semanas de
laboração
Pormenor das caldeiras de evaporação
do xarope de mel.
Processo de fabrico do mel
O mel-de-cana, que adoça a mesa dos madeirenses e de
estrangeiros que nos visitam, é o fim-de-linha de um processo que
começa com a apanha da cana-de-açúcar. Já na fábrica, os alunos
acompanhados pelos docentes, observaram as canas a serem
preparadas e introduzidas em dois moinhos, conhecidos por engenhos, que extraem o sumo de cana, a guarapa. Esta é depois
canalizada para uma primeira filtração, segue a cozedura nos clarificadores e depois uma nova filtração que garante rigor no processo de aprimoramento do produto. Na fase seguinte, a guarapa
entra nas evaporadoras para continuar a cozedura e a evaporação da água ainda existente. A
terminar, uma nova cozedura e a última filtragem que antecede a introdução do xarope na caldeira de vácuo de onde sai já mel-de-cana e passado para um reservatório para repousar e
arrefecer naturalmente.
http://www.fabricaribeiroseco.com;
19
“VI Encontro Regional de EMRC ”
Olá amigos!
Cá estamos nós mais uma vez!
No dia 24 de abril realizou-se o VI Encontro Regional dos
Alunos de E.M.R.C no Curral das Freiras. Da nossa escola partiram dois autocarros com cerca de cem alunos! O dia esteve
recheado de atividades variadas que nos trouxeram alegria e boa
disposição! Ora leiam os nossos testemunhos.
“Este Encontro de E.M.R.C. foi excelente.
Adorei conhecer o Curral das Freiras, é um lugar
lindo. De manhã participámos em diferentes atividades. O almoço foi ótimo, partilhamos e depois
brincámos.”! À tarde, vimos a atuação de diversas
escolas com danças e músicas. Fizemos uma caminhada, onde cantamos “HBG” até ficarmos quase
sem voz! Para o ano, se houver outra vez este
Encontro aconselho-te mesmo a ir”. 6.º5 Filipa
“Eu gostei imenso do Encontro, adorei o
peddy-paper, foi muito divertido. Para mim foi uma
experiência inesquecível.” Inês 6.º1
“Foi um dia divertido! Gostei deste encontro
entre tantas escolas para celebrar a disciplina. Vieram muitos alunos celebrar Educação Moral!” 5º 9
Máxima
“Gostei da viagem de autocarro, toda a gente estava animada. Quando chegamos ao Curral das
Freiras o tempo estava muito bom e começou a nossa festa. Ofereceram-nos umas pulseiras da disciplina de EMRC muito fixes! Ao longo da manhã participámos em jogos tradicionais e peddy-paper que
nos permitiu ficar a saber mais sobre esta linda terra. Gostei principalmente do facto de ter sido eu a
levar o símbolo da nossa escola até à “árvore dos
símbolos”. Foi ótimo o almoço convívio. Da parte
da tarde assisti às atividades apresentadas pelas
escolas, foi altamente! O Encontro de E.M.R.C. foi
muito interessante, eu adorei!” 6.º5 Sara Camacho
“O VI Encontro de EMRC foi divertido e
também uma experiência única. Cantámos, participámos nas atividades e observámos pequenos filmes. Gostei muito daquele dia.” 6.º1Maria
P.S. Junta-te a este grupo que não para de
crescer. Atreve-te!
Alunos de E.M.R.C.
Professores de E.M.R.C.José Fiel e Sónia Abreu
20
SIMULAÇÃO DE EVACUAÇÃO
No dia 6 de maio, em conformidade com
o plano de prevenção e emergência da escola, foi realizada a simulação de evacuação do
prédio principal e polivalente da Escola Básica
dos 2º e 3º ciclos Dr. Horácio Bento de Gouveia, nos dois turnos, um de manhã e outro à
tarde.
O número de envolvidos ascendeu sensivelmente a 1380 alunos (manhã) e a 1020 alunos (tarde), conjuntamente com as pessoas
dos vários serviços e comunidade escolar.
A simulação tinha por base um incêndio
na cozinha da escola, de forma a se proceder
à evacuação de modo mais seguro.
21
Dias do Cientista - 22 e 23 maio de 2014
A Escola HBG abriu, mais uma vez, as suas portas aos seus futuros
alunos de 5º ano de escolaridade.
Nos passados dias 22 e 23 de maio a Escola HBG teve o prazer de
receber a visita de algumas escolas de 1º ciclo. Os alunos visitantes
tiveram a oportunidade de visitar os nossos laboratórios.
de Biologia, Geologia, Geografia e Físico-Química tendo também a
possibilidade de realizar algumas experiências e de visitar a nossa
horta biológica.
22
Relevo, Vulcanismo e Energias Renováveis - Ilha da Madeira
No âmbito interdisciplinar das áreas de Geografia, Ciências Naturais e Ciências Físico Química decorreu nos dias 6 a 16 de maio uma exposição “Relevo, Vulcanismo e Energias Renováveis - Ilha da Madeira“.
Os trabalhos expostos (cartazes e modelos) foram realizados pelos alunos de 7.º e 8.º ano. A acompanhar
esta exposição esteve patente um conjunto de placares informativos sobre as Energias Renováveis existentes
na ilha (departamento de educação da Câmara Municipal do Funchal).
23
ESCOLA SAUDÁVEL
O Projeto Escola Saudável está inserido no plano
anual de escola e está a cargo
do Professor Nuno Rodrigues
do grupo disciplinar de Educação Física (620) do 3º
Ciclo.
Este Projeto integra quatro docentes na sua logística e
destina-se a todos os alunos,
funcionários e docentes que
regem a nossa Escola.
Ao longo deste ano letivo, foram realizados aos alunos dos 8º e 9º anos testes
antropométricos,
nomeadamente índice de massa corporal, glicémia, percentagem de
massa gorda e pressão arterial,
com a contribuição e ajuda de
enfermeiras especializadas do
Centro de Saúde do Funchal.
No que concerne aos alunos do 2º Ciclo e 7º ano
foram selecionados os que apresentavam caraterísticas
acima dos parâmetros saudáveis e posteriormente foram
direcionados para a nutricionista da nossa escola. Estes
alunos foram acompanhados por um docente especializado na área da saúde e prescrição do exercício.
Foram realizadas, no 1º e 2º período, ações de formação, intituladas: Hábitos de vida e alimentação saudáveis, pela nutricionista da nossa escola a todas as turmas
do 6º ano de escolaridade.
24
Foi agendada nos dias 20 e 21 de Maio a avaliação dos valores antropométricos, introduzindo a medição do colesterol, aos professores e funcionários na varanda exterior ao bar dos professores.
Todos os gastos referentes a este projeto são financiados pelas aulas de fitness destinadas aos professores e funcionários que
decorrem ao longo do ano às 3ª e 5ª feiras das 18:30 às 19:30 no ginásio da nossa escola.
25
Parlamento Jovem Nacional
A HBG no Projeto Parlamento Jovem Nacional
2013/2014
O Parlamento Jovem Nacional é uma iniciativa
da Assembleia da República que pretende incentivar o
interesse dos jovens pela participação cívica e política.
Nela participaram, no presente ano letivo, 367 Escolas
de todos os distritos, Regiões Autónomas e, ainda a
Escola Portuguesa de Macau.
Após uma fase de debate nas Escolas sobre o
tema Drogas – evitar e enfrentar dependências, decorreram as eleições dos candidatos às Sessões Distritais e
Regionais. Nestas sessões foram aprovados Projetos de
Recomendação à Assembleia da República no âmbito
daquela temática e foram eleitas 62 Escolas para participar na Sessão Nacional, cada uma com 2 deputados.
A Sessão Nacional representa o culminar destes
trabalhos, realizando-se em dois dias: o primeiro, destinado a reuniões de Comissões para debate dos projetos
de Recomendação aprovados nos círculos eleitorais, e o
segundo, dedicado à Sessão Plenária com a participação
de 124 deputados. Nesta Sessão, após um período de
perguntas aos Deputados de todos os Grupos Parlamentares com assento na Assembleia Legislativa Nacional,
os jovens fazem o debate e a votação final global da sua
Recomendação à Assembleia da República sobre o
tema.
A HBG participou nesta iniciativa pela terceira
vez, ultrapassando com sucesso todas estas etapas e, por
isso, a Escola esteve também representada na Sessão
Nacional.
Na sequência dos trabalhos da Sessão Escolar
ocorrida no dia 22 de Janeiro foram eleitos, para defenderem o projeto de recomendação vencedor, a nível
regional, no dia 31 de Março, os alunos: Francisco
Pereira (9º3); Sofia Vasconcelos (9º3), Afonso Leonardo Vieira Andrade (9º2), Maria Nuno Talhadas Bazenga Marques (8º3), e como suplente José Pedro Gomes
Caires (8º3)
Foram estes alunos que apresentaram as três medidas do Projeto de Recomendação da nossa Escola
aos deputados representantes das restantes 9 escolas participantes neste Projeto a nível Regional. O seu teor
destacou-se, propiciando que fosse eleito o “Projeto Base” sobre o qual se trabalharia a proposta apresentar a
nível nacional sob o tema: “Drogas – evitar e enfrentar dependências”.
26
Após um debate formal e restringido pelas
regras inflexíveis de limitação de tempo e fórmulas formais de linguagem, os nossos alunos
destacaram-se ao ponto de serem eleitos por
voto secreto para representarem a Região,
conjuntamente com dois alunos da Escola
Secundária de Machico. Ou seja, o círculo da
Madeira fez-se representar pelos dois deputados mais cotados (com maior número de votos
na sessão escolar) de duas das escolas participantes, conforme as regras estipuladas.
Porque todas as etapas deste Projeto
foram claramente atingidas e superadas por
alunos representantes da HBG, também foi
eleito porta-voz do grupo parlamentar do
círculo da Madeira na Sessão Nacional do
Parlamento dos Jovens o aluno Francisco
Pereira(9º3).
Na sequência dos trabalhos da Sessão
Escolar ocorrida no dia 22 de Janeiro foram
eleitos, para defenderem o projeto de recomendação vencedor, a nível regional, no dia
31 de Março, os alunos: Francisco Pereira
(9º3); Sofia Vasconcelos (9º3), Afonso Leonardo Vieira Andrade (9º2), Maria Nuno Talhadas Bazenga Marques (8º3), e como suplente José Pedro
Gomes Caires (8º3)
Foram estes alunos que apresentaram as três medidas do Projeto de Recomendação da nossa Escola
aos deputados representantes das restantes 9 escolas participantes neste Projeto a nível Regional. O seu teor
destacou-se, propiciando que fosse eleito o “Projeto Base” sobre o qual se trabalharia a proposta apresentar a
nível nacional sob o tema: “Drogas – evitar e enfrentar dependências”.
Após um debate formal e restringido pelas regras inflexíveis de limitação de tempo e fórmulas formais
de linguagem, os nossos alunos destacaram-se ao ponto de serem eleitos por voto secreto para representarem a Região, conjuntamente com dois alunos da Escola Secundária de Machico. Ou seja, o círculo da
Madeira fez-se representar pelos dois deputados mais cotados (com maior número de votos na sessão escolar)
de duas das escolas participantes, conforme as regras estipuladas.
Porque todas as etapas deste Projeto foram claramente atingidas e superadas por alunos representantes da
HBG, também foi eleito porta-voz do grupo parlamentar do círculo da Madeira na Sessão Nacional do
Parlamento dos Jovens o aluno Francisco Pereira(9º3).
27
Urge acrescentar que esta Sessão Regional foi presidida também, pela aluna da HBG,
Sofia Araújo (9º3), eleita pelos candidatos de
outras escolas da RAM às mesmas funções
numa sessão prévia, no dia 12 de Março. O seu
desempenho foi adequado à difícil tarefa demandada, o que lhe permitiu concorrer à presidência
da Mesa da Sessão Nacional e participar, através
de videoconferência no dia 29 de Abril numa
prova de aptidão ao cargo de Presidente da Mesa
da Sessão Plenária a Nível Nacional, cujo desenlace em termos de votação não fez jus à prestação da candidata.
A quatro de Maio, partiram então para
Lisboa, para participar a 5 e 6 de Maio na Sessão Nacional do Parlamento Jovem Nacional,
representando o Circulo da Madeira, os deputados alunos da HBG, Francisco Pereira e Sofia
Vasconcelos (9º3)
No dia seguinte, estudadas as melhores
estratégias para defesa do projeto de recomendação do círculo da Madeira (nos jardins da Fundação Gulbenkian), os deputados do círculo da
Madeira apresentaram-no com muito brio na 4ª
comissão esclarecendo os deputados dos Açores,
Viana do Castelo, Braga, Porto, Portalegre e Setúbal.
Depois da apresentação e defesa do projeto de recomendação de cada círculo eleitoral e de um período
de esclarecimentos, foi votado o projeto de recomendação do círculo da Madeira, como base de trabalho para
aquele que saíu desta reunião e subiu à Sessão Plenária, no dia 6 de Maio.
Também uma das perguntas a apresentar pela 4ª Comissão aos representantes dos diferentes partidos
políticos portugueses com assento na Assembleia Legislativa foi a proposta pelo circulo da Madeira e que o
seu porta-voz expressivamente colocou.
Os deputados “Sénior” interpelados pelos jovens deputados esclareceram dúvidas e responderam a uma variedade de questões de âmbito político, económico e social da atualidade.
O plenário foi aberto pelo atual vice-presidente da Assembleia da República, o Dr. Guilherme Silva e, posteriormente, presidido por jovens deputados eleitos na supracitada vídeo conferência ocorrida a 29 de Abril.
Cumpriu-se depois a ordem de trabalhos deste plenário. Após a leitura das propostas saídas das 4 Reuniões de comissão e de um período de perguntas e esclarecimentos, eliminaram-se por votação algumas propostas, obtendo-se assim o projeto final com dez medidas, a apresentar à Assembleia da República. (entre elas
consta uma originária da HBG e no computo geral duas do circulo da Madeira) anexo 1
À margem dos trabalhos, os jovens deputados foram agraciados com uma Atuação da Turma do 8.º ano
do ensino articulado da Escola Básica de Rio Tinto N.º 2. cuja orquestra impressionou pela variedade de interpretações musicais. Ressalve-se também o cenário do delicioso almoço no dia 6 de Maio que decorreu nos
claustros do Palácio de São Bento. Foram momentos de confraternização com colegas de diferentes regiões do
País, também eles inesquecíveis, certamente, para os nossos jovens.
Ana Paula Noite ( grupo 530); Daniela Correia ( grupo 400) ; Helena Borges (grupo 330)
28
Cantinho da Literatura
Projeto «Ler com Amor»
A Associação «Companhia Contigo Teatro» tem
desenvolvido, em coordenação com a DRE, o Projeto
«Ler com Amor», que visa dinamizar a leitura em voz
alta, dramatizada e performativa, nas escolas, dentro da
sala de aula.
Aquando da formação «Dinâmicas de Leitura na
Sala de Aula», a professora responsável pelo projeto na
escola HBG, Cristina Guedes Azevedo, realizou várias
atividades, ao longo dos primeiros períodos, nomeadamente a leitura expressiva e dramatizada de cartas, contos e poemas.
No dia 24 de março, alguns alunos do 7º8 ( Ana
Carolina Pereira, Carla Teixeira, Laura Fabiana Chaves, Laura Raquel Carvalho, Sara Isabel Silva, Sara
Patrícia Gomes e Tânia Ferreira), 7º9 (Bárbara Freitas,
Beatriz Góis, Inês Pão, Laura Andrade, Linda Inês
Campos, Mário Fernandes, Nícia Ferreira e Paulo Belim) e 7º12 (Ana Catarina Andrade, Catarina Freitas, Melânia Ramos e Patrícia Ribeiro) participaram na atividade, no Infantário «As Capuchinhas» e
no jardim do Museu da Quinta das Cruzes. Este evento
consistiu, numa primeira fase, na leitura dramatizada
do Conto «Elmer- o elefante xadrez», de David
Mckee, dirigida para as crianças com idades compreendidas entre os 3 e 5 anos. De facto, a interação
entre as crianças e os jovens, no infantário, revelou-se
profícua e a leitura, enquanto ato de partilha, deu vida
ao elefante Elmer, num ambiente descontraído e acolhedor. Depois, foram declamados os poemas: «Ler
com Amor», de Fátima Pitta Dionísio; «Canção» e
«Urgentemente»,
de
Eugénio
de
Andrade
e «Amigo», de Alexandre O'Neill. Por fim, os «pequenos leitores» cantaram o «Hino da HBG», da autoria de Fátima Pitta Dionísio.
Os intervenientes demonstraram uma entrega total e um empenho contagiante na atividade, o que se refletiu numa evolução significativa, quer nas competências da leitura, quer nas competências sociais.
29
Este evento mereceu rasgos elogios por parte de
alguns elementos presentes da «Companhia Contigo
Teatro», nomeadamente, Hugo Andrade e Sandro
Nóbrega. As Diretoras das turmas 7º8, Maria
Cruz, e 7º9, Cecília Pontes, acompanharam os alunos
e contribuíram para o sucesso desta iniciativa.
O projeto «Ler com Amor» quer agradecer aos
professores Carlos Gomes, que se disponibilizou logo
a filmar e fotografar a atividade, tendo posteriormente
trabalhado na apresentação final do vídeo; o Professor
Vasco Rodrigues, que adaptou o trecho musical para o
«Hino da HBG» e ensaiou, com entusiasmo, os alunos.
O Museu Quinta das Cruzes e o infantário «As Capuchinhas» abriram gentilmente as suas portas e acolheram este evento, disponibilizando os materiais necessários à sua realização. A Poetisa da escola, Fátima Pitta
Dionísio, acarinhou o pedido que lhe foi feito, tendo
criado um poema sobre os temas «Ler com Amor» e a
Escola HBG.
Finalmente, contribuiu com empenho e dedicação incansáveis a professora Magda Saraiva.
Cristina Guedes
Maria Cruz
Cecília Pontes
Carlos Gomes
30
Confundindo histórias
Mas que cheirinho!
Cinderela
-Era uma vez um pai solitário.
-Não, era um pai viúvo !
-… que tinha uma empregada.
-Uma filha, avô!
-Um dia ele arranjou uma gata para casar.
-Avô, ele arranjou uma mulher, não uma gata!
-Isso! Ela tinha duas galinhas …
-Não, avô, ela tinha duas filhas.
-Quando o pato da Cinderela morreu…
- …quando o pai da Cinderela morreu!
-É verdade. Elas começaram a tratar a freira como escrava.
-Não, começaram a tratar a Cinderela como escrava.
-Quando aparece um coelho a convidá-las para o baile do príncipe.
-Avô, quando aparece um mensageiro, não um coelho!
-Então a raposa disse que a Cinderela não ia ao baile…
-Avozinho, a madrasta é que disse que ela não ia ao baile.
-Isso! E então a Cinderela começou a rir …
- Não, começou a chorar!
-Então, as doninhas dela ajudaram-na a fazer o vestido para o baile.
-Nada disso! Então, os ratinhos dela ajudaram-na a fazer o vestido
para o baile.
E o avô continuou a contar a história com todo o entusiasmo.
- De repente, apareceu uma mosca que lhe fez uma proposta.
-Avozinho, é uma fada madrinha que aparece, não uma mosca!
-A fada avisou que, se à meia-noite, a Cinderela não voltasse, transformar-se-ia num queijo.
- Nada disso, a carroça da Cinderela é que se transformaria em abóbora.
-E então no dia do baile ela dançou com o príncipe e perdeu o vestido.
-Avozinho! O que ela perde é o sapato de cristal.
-Por isso ele queria encontrar uma amêijoa.
-O que ele queria mesmo encontrar era a rapariga!
-Ele passou pela casa da Cinderela, mas naquele momento ela estava
na sanita.
-Não, a Cinderela estava a fazer as limpezas-corrigiu o menino já
muito chateado.
-Certo dia – continuou o avô - o pombo-correio passou por lá com o
sapato de cristal.
-Avô, é o mensageiro que passa por lá com o sapato de cristal!
-Ele tenta ver a quem serve, mas uma tem um pé muito grande e
outra uma pata de pato…
-Ela tinha um pé muito pequeno, isso sim!
-Quando a freira deu o seu pé, o sapato serviu-lhe.
-Não, avozinho, o sapato é que serviu na Cinderela-afirmou mais
uma vez o menino.
-E então o sapato de chocolate é que ajudou naquilo tudo.
-Avozinho, tu não sabes contar histórias. Mas a ideia de comer um
chocolate agrada-me.
E o menino lá foi comer um chocolate e o avô foi acabar de ler o
seu jornal.
Rita Gomes, Sara Santos, Bia Silva,
Cátia Vieira e Marcos Nóbrega.
(disciplina de Apoio ao Estudo) Turma 6.10
No dia vinte e três de dezembro a
minha mãe fez broas de mel que perfumaram a casa com o seu maravilhoso cheirinho.
Não consegui resistir àquele aroma,
fui à cozinha, tirei uma broa e comi- a,
mas não sabia que ela iria transformar-me
no Pai Natal e levar-me-ia para o Polo
Norte.
Lá, acolheram-me dois duendes,
Gingas e Gongas, dizendo:
- Pai Natal, temos muito trabalho, só
faltam dois dias para o Natal!
Espantada, disse que não era o Pai
Natal e dei uma gargalha.
Os duendes, admirados, disseram:
- Não brinques! Falta pouco tempo e
ainda temos muito a fazer. Vamos supervisionar os preparativos!
Na Oficina todos trabalhavam;
alguns duendes faziam brinquedos, pintavam-nos e embrulhavam-nos, outros
faziam bonecas, cosiam os seus vestidos e
outros ainda tingiam ursos. Mas o que
sobressaía era o cheirinho que pairava no
ar dos preparativos da ceia.
Atraída pelo cheiro comi uma broa
e, de repente, a Oficina transformou-se
novamente na cozinha da minha mãe.
Inês Margarida G. Baptista 5º1
O patinho feio
Era uma vez um patinho
que nasceu ao pé de um moinho,
mas para sua infelicidade
os irmãos tratavam-no com maldade.
Sozinho todo o dia
à procura de alegria
sem perder a esperança
encontrou uma criança.
Viu uma menina
Dando milho a uma galinha
Com o patinho quis ficar
Mas o seu pai pô-lo logo a andar!
Então fugiu outra vez o patinho
Sozinho e abandonado,
Encontrou casa e um amigo
onde viveu adorado.
André Jardim e Inês Oliveira - 5º2
31
Confundindo histórias
Os três porquinhos
A avó conta a história dos três porquinhos à neta:
-Era uma vez três cachorrinhos.
-Não, avó! Eram três porquinhos!
-Ah, sim! Três porquinhos. Enfim, continuando… um
dia, como já estavam crescidos, decidiram ir para a discoteca.
-Não, avó! Decidiram ir viver cada um para a sua casa.
-Pois, netinha! A mãe avisou-os para terem cuidado com
o gatinho ninja.
-Não havia nenhum gatinho ninja, era um lobo mau!
-O porquinho mais novo construiu um foguetão.
-Impossível! Ele construiu uma casa de palha.
-Exato, o porquinho do meio construiu um parque de
diversões.
-Isso é absurdo! O porquinho do meio construiu uma
casa de madeira!
-Sim, claro! O porquinho mais velho construiu um bar de
sushi.
-Deixa de ser tonta, avó! Ele construiu uma casa de tijolos.
-Sim, é isso, adiante! Entretanto, o lobo mau ia a passear
à procura da bicicleta.
-Não, não, ele ia à procura de comida!
-Está bem! Enquanto passeava encontrou o foguetão do
porquinho mais novo.
Já irritada, a neta corrige:
-Era a casa de palha do porquinho mais novo, avó!
-UFFF! Não conto mais a história, já a sabes de cor não
paras de me corrigir. Agora vou fazer o teu jantar.
Com isto tudo a netinha foi andar de bicicleta.
A Bela e o Monstro
- Era uma vez um
belo rapaz... começou o avô.
- Não avô, era uma bela
rapariga - corrigiu a neta.
- Pois! Essa bela rapariga
foi à farmácia comprar
medicamentos - continuou o avô.
- Que tolice, avô! Ela foi à biblioteca buscar um
livro - declarou a neta.
- Sim, sim! Entretanto, o seu tio tinha ido à floresta buscar lenha - disse o avô.
- Impossível! O pai saiu da sua terra, pois tinha
negócios a tratar - informou a neta.
- Sim, continuando. A girafa foi dar de comer
aos cães... - hesitou o avô.
- Que idiotice, avô! A Bela foi procurar o seu
pai, pois os cavalos chegaram a casa sozinhos emendou a neta.
- Ah, sim! Bem, continuando, a mosca foi procurar o seu tio e encontrou um prédio. - disse o
avô.
- A mosca? Não, avô! A Bela foi procurar o seu
pai e encontrou um castelo. - corrigiu a neta.
- Está bem, minha neta! A Bela, dentro da
biblioteca, encontrou uma baleia que se apaixonou por ela e deu-lhe bombons. - declarou o
avô.
- Impossível, avô! A Bela, dentro do castelo,
encontrou um monstro que se apaixonou por
ela e não lhe deu bombons nenhuns. A propósito, dás-me dinheiro para ir comprar uns doces?
- Está bem! Pega o dinheiro - disse o avô.
E o avô continuou a ler o seu jornal.
Eva Silva, Sira Sow e Bruno Araújo
O dinheiro
O dinheiro vai e nunca volta.
Trabalhamos, mas não recebemos.
Que tristeza é a nossa!
Os nossos pais trabalham,
mas recebem um dinheirinho,
que só dá para beberem um cafezinho!
Sofia Silva, Mariana Pestana,
Gonçalo Rodrigues e Carlos Gouveia
(disciplina de Apoio ao Estudo) : Turma 6.º 10
32
Os nossos pais trabalham,
como se fossem “burros de carga”,
para, no final do mês, receberem
uma migalha!
Sofia Silva, Ana Luiza, Gonçalo Luís
O Sr. Rodrigo e a Gaivota
A pérola do Atlântico
A pérola do Atlântico é
uma ilha cheia de flores
chamada Madeira.
Esta ilha é a mais bela de todas
e como ela, não há mais nenhuma.
De dia, os pássaros alegres cantam
e a beleza da ilha atrai turistas
de todas as partes do mundo
como se fossem ímanes.
À tarde, quase a anoitecer,
o Sol faz as suas despedidas à
pérola do Atlântico.
De noite, a Lua aparece para iluminar
Toda a ilha com o seu brilho.
A ilha da Madeira é muito conhecida
pelos bordados, o brinquinho,
o seu próprio vinho,
a sua beleza, o bailinho e os seus trajes.
Mas o que mais nos atrai nela
é a constante beleza das várias cores
misturadas,
a fazer lembrar o quadro de um grande
pintor.
Luiza, Catarina, Beatriz e Sofia, 6.º 10
(disciplina de Apoio ao Estudo)
O sr. Rodrigo, patrão de uma empresa de
construção civil, era um homem sempre
muito ocupado, mas gostava muito de passear ao fim do dia no parque de Tãonsvile.
Ali havia árvores e plantas muito bonitas e o sr.Rodrigo gostava,
quero dizer, adorava, toda essa natureza. Sentia pena das árvores tão
lindas e tão belas que, no outono ou no inverno, ficavam despidas ou
sem folhas ou até murchas como a terra castanha e suja; as plantas
giras e perfumadas fechavam-se e, muitas delas, às vezes morriam.
Certo dia de outono, o Sr. Rodrigo estava a passear no parque coberto de folhas amarelas no chão, com plantas e árvores todas mortas,
ou quase todas mortas, quando ele avistou um pássaro que, depois de
o ver mais atentamente, descobriu que era uma gaivota.
"O que é que uma gaivota faz aqui no outono?" – pensou ele.
De seguida, o Sr. Rodrigo observou-a muito bem e viu que ela
tinha uma asa partida e que não conseguia acompanhar o bando para
ir para um sitio mais quente do que Tãonsvile. Foi, então, que decidiu levá-la para casa e depois ao veterinário.
Quando o sr. Rodrigo entrou no veterinário, estava uma fila enorme à espera de ser atendida; depois de algum tempo à espera, uma
senhora velhinha, já de uma certa idade, disse-lhe:
- Vejo que o seu animal está mal!
-Está, muito mal, partiu uma asa e eu vim aqui para lhe fazerem
um curativo.- Respondeu ele.
-Então, se quiser, pode passar à frente.- autorizou a velha.
-Obrigada, sinto-me honrado!-exclamou ele.
-Tenho muito gosto -respondeu ela.
Finalmente, depois de estar à espera um bocado, era a sua vez de
ser atendido. O Sr. Rodrigo entrou no consultório e falou com o
veterinário:
-Eu vim aqui porque a asa do meu pássaro está partida. -disse ele.
-Ah...,um caso de asa partida...,ainda não sabemos se está partida,
senhor. Pode ser uma fratura.- opinou o médico.
-Não se preocupe, sr. doutor, ela é mansinha e fofa e não lhe faz
mal, não se preocupe!-exclamou o Sr. Rodrigo.
Em seguida, o médico foi fazer o raio-x e quando voltou declarou:
-Não é nada, ela só tem uma fratura pequenina na asa, mais nada,
venha aqui amanhã que ela já estará curada.
No dia a seguir, o sr. Rodrigo foi ao veterinário e a gaivota estava
curada. Levou-a ao parque e soltou-a e ela voou muito contente para
junto das suas amigas gaivotas.
Diogo Miguel Castro Paixão, 5.º10
33
Poemas à maneira de…
O peixinho dourado
Mia, mia, mia
O Leão
O peixinho dourado
há muito que vivia acompanhado
no aquário da Inês.
Naquele mês,
ao ver-se apaixonado,
pelo pardal, belo animal,
decidiu saltar, desalmado,
para a liberdade ufana
de viver ou morrer asfixiado.
Mia, mia, mia,
Mia, mia, mia.
A gata
Que pertencia
À minha tia.
Zangou-se a tia
Um dia,
E ralhou à gata
Que mia, mia, mia…
O leão mete medo
grande como ele é
com a cabeça maior que o pé.
Encontra a solução
rasgando a carne com a mão.
É calmo e preguiçoso
E também ambicioso!
Gustavo Borges, 5º1
Inês Dias, 5.º 9
Sofia Mingaleeva, 5.º 9
Tubarão
Leão mauzão
Aqui está o leão mauzão
das histórias de assustar,
com dentes pontiagudos
como garfos de espetar.
O que assusta os meninos
faz o seu rugido entoar.
Talvez não fosse tão assustador
se alguém lhe desse um manjar.
Francisco Capelo, 5.º 13
Camaleão
Cama… leão!
Cama… leão!
Está a mudar
a cor um todo o lugar
Cama… leão!
Patinha aqui
Patinha ali
acerta a cor
veste com cores coloridas
fato azul
fato verde
com muitas pregas
no colarinho
Camaleão!
Camaleão!
Parece um charlatão…
Tu… barão!
Tu… barão!
Vai depressa
Marca o ritmo
Tu… barão!
Barbatana aqui
Barbatana ali
acerta a natação
34
Pica,pica,pica,
pica,pica,pica
O Pica-Pau,
pica o pau
do esquilo.
Certo dia,
o esquilo
zanga-se com o
pica-pau e
mete o pica-pau
na gruta pica pica ...
Manuel e Pedro, 5º 1
não veste de cerimónia
fato cinzento
fato preto
sem mangas
no fatinho
O rato
Hi! Hi! Hi! Hi!
Barulhento e muito viçoso
Faz o seu buraco
Vai lá com tanto esforço!
Tubarão!
Tubarão!
Perece um campeão…
Na sua casa come
Queijo sem parar
E quando acabar
Onde o vai buscar?
Ana e Henrique Estrela, 5º2
André Jardim, 5.º 13
O peixinho prateado
O peixinho prateado
há muito que vivia animado
no aquário da Bia.
Naquele dia,
ao ver-se apaixonado,
pela gata, bela bichana,
decidiu pular, desalmado,
para a paixão tirana
de viver ou morrer abafado.
Rodrigo Camacho, 5.º 13
Jorge Aguiar, 5.º 13
O Pica-Pau
A Foca
A foca é muito brincalhona.
Com a sua bolinha Harmonia
Faz truques que até parecem magia.
A bolinha Harmonia
É a sua companhia
Mergulha com ela
Sempre na brincadeira.
A foca é da cor do carvão
E a sua pele é nua
Tem uma cauda curva
E gostava de ir à lua.
Marta e Clara 5º2
Para a Carolina
Nasceste e o ar iluminou-se.
As flores ressuscitaram nos jardins.
Um meteoro habitava
como um puro fogo aceso
pela cintilação dos teus olhos.
Cedo te amaram comigo
intemeratas marés
de um fabuloso mar
que te embalava o corpo
sedento de ternura e claridade
Atravessar os países do sul
com mil fogos
e descobrir a perfeição
dos deuses acordados ao sol
Ao ritmo dos dias mais longos
ver crescerem para o céu as árvores
onde serenamente repousam
os olhos da terra milenar
Ver mãos proféticas
na casa de um silêncio contido
de poetas
cansados de cantar o mundo
numa solidão de pedra
Pelas leves faces do silêncio
falam as aves à inovadora tez do sol
da frescura primaveril dos lagos
que emerge, alta e serena,
do âmago da terra.
É tempo de sonhar
as transparências de um mundo
que se quer transformado
Requiem por uma amiga
À memória de Maria do Carmo Rodrigues, escritora
que no meu coração habitará para sempre.
Partiste e levaste
memórias de dias leves
com asas
no cintilante azul do teu olhar
No amansar das coisas boas
que tiveste
e nos seres que amaste
permaneces.
São nossos agora
os gestos ledos
com que nos brindavas.
De ti ficou
o rosto ensolarado
por manhãs claras na minha poesia.
Hoje, com o sal das lágrimas,
relembro as horas lúcidas
dos encontros fraternos que tivemos e amámos
Rápidos como relâmpagos
os fios do sol
na intemerata sede do silêncio.
No remanso esconso das águas
está a arte de repensar o céu
e dar à terra os frutos todos
das árvores solícitas
com mãos estelares e longínquas.
Fátima Pitta Dionísio
Uma ida ao veterinário
Num dia de verão, o meu cão acordou doente. Resolvi levar o Óscar ao veterinário.
Quando lá cheguei, já estava o Dr. José à espera do meu cão para o tratar.
Óscar é um cão de pequeno porte, de pelo preto e olhos castanhos claros.
- Então, que se passa com o pequeno Óscar? - perguntou o Doutor José.
- Ele acordou sem vontade de comer e sem vontade de brincar. E, como o doutor sabe, ele é
um cão muito elétrico. - respondi-lhe a rir.
-Vamos lá ver o que se passa com o Óscar, vou examiná-lo.- disse o doutor.
Passados alguns minutos, o médico veio falar comigo e disse:
- O Óscar deve ter comido qualquer coisa estragada. Vou ter de lhe fazer uma lavagem ao
estômago.
Aflito respondi-lhe:
- Vai ficar bem, o meu cão?
- Sim, claro que vai! Isto foi só um pequeno mal estar.- Disse o Dr. José.
Passada uma hora o veterinário trouxe-me o meu cão, que ainda vinha a dormir.
-Ele vai ficar bem, isto é apenas efeitos da anestesia. Daqui a uma hora o seu cão acordará e
sentir-se-á melhor.
-Obrigado, Sr. Dr. - agradeci eu.
Depois de algumas horas, já em casa, o Óscar sentia-se melhor e já fazia as traquinices do
costume. Já estava recuperado.
Cláudio Castro 5.º 10
35
The English Time!
Who W
as Wi
lliam
S
W i l l i a m
Shakespeare
was an English playwright
and
poet,
widely
regarded as one
of the greatest
ever English
writers. Some
of
Shakespeare’s better known plays include
‘Romeo & Juliet’, ‘Hamlet’ and ‘Much
Ado About Nothing’.
Shakespeare was born in Stratfordupon-Avon in 1564 before moving to
London to become an actor at age 21.
Shakespeare wrote different genres of
plays throughout his career, starting
out mainly with comedies and histories before moving on to tragedies as
he grew older.
In 1599, along with some fellow
actors, Shakespeare built a theatre on
the South Bank of the River Thames
which he named ‘The Globe’. It was
here that many of his plays were performed. Today, visitors to London can
still watch Shakespeare plays at the
restored Globe Theatre.
William Shakespeare was a very wellknown character in Tudor England. It
is thought that Elizabeth I was a fan of
his plays.
hakes
peare
?
The original Globe Theatre
Fun fact: William Shakespeare was
the only member of his family that
could read or write!
www.activityVillage.co.uk
36
HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL
A primeira República
A Implantação da República Portuguesa foi o resultado de uma revolução organizada pelo Partido
Republicano Português iniciada no dia 2 e vitorioso na madrugada do dia 5 de Outubro de 1910 que deitou
a baixo a monarquia e implantou a república.
A Primeira República Portuguesa foi o sistema
político vigente em Portugal após a queda da monarquia.
Durante a primeira república houve desentendimentos entre o Governo e a Igreja Católica. Houve
também desentendimentos internos entre os republicanos e os carbonários que foram uma das razões pelo
inicio do golpe de 28 de Maio de 1926.
No período de 16 anos (primeira república ) houve sete parlamentos, oito presidentes da república, 39
governos, 40 chefias de governo ( um presidente provisório do Governo e 38 presidentes do ministério).
O primeiro Presidente da República foi Manuel
de Arriaga.
Após os 16 anos de república, começou uma
Ditadura Militar. Após alguns anos de Ditadura passou a governar em Portugal um homem chamado
Oliveira Salazar.
Ilustração do aluno Pedro Afonso - 6º9
37
Cantinho dos Artistas
" O aluno Pedro Afonso F. Moniz, aluno do 6º ano, da turma
9, destaca-se dos demais, dentro da sua faixa etária, pelo
seu talento natural inquestionável na área da representação
gráfica.
Revela uma excelente capacidade de observação
e grafismo fora do comum para a sua idade. Tem grande
facilidade em representar graficamente o que vê. Utiliza
qualquer suporte ou riscador sem inibições, desenhando
diretamente com esferográfica ou marcador com uma precisão impressionante.
O gosto pelo desenho manifesta-se naturalmente no seu
dia-a-dia. Em qualquer sítio que esteja e com qualquer
suporte que encontre desenha os seus cenários, preferencialmente náuticos ou relacionados com a aviação. Este
gosto pelo desenho e pelos aviões surge desde muito
pequeno, pelo facto de residir próximo ao aeroporto e gostar muito de observar os aviões. O gosto pelos navios veio
um pouco mais tarde."
Noélia Ornelas
38
Cantinho dos Artistas
Exposição "Projeto Património"
6º 1
Data a assinalar: 18 de Maio, Dia Internacional dos Museus
No âmbito do projeto de turma interdisciplinar, “Viagem
das plantas – o Contributo dos Portugueses no Mundo”, a
turma 6.º1 apresentou na Exposição “Projeto /Património”
o resultado do trabalho realizado nas disciplinas de Ed.
Visual e Ed. Tecnológica em parceria com o Museu de Arte
Sacra do Funchal.
Património Regional
6º5
Recriações das obras de Max Römer
39
40
41
42
OFICINA DE ARTES - PCA
43
Express`Arte
No Projeto de Artes Plásticas dinamizado pela professora Carla Gonçalves, os discentes participaram no Concurso “ Sou 5 estrelas!” com a elaboração de dois foguetões
reutilizando diferentes materiais. Os alunos numa primeira
fase assistiram a uma ação de sensibilização dinamizado pelo
Museu da Baleia. De seguida, foi elaborada uma pesquisa de
imagens e de materiais a utilizar no projeto.
No terceiro período o nosso projeto irá participar
na Exposição TransFORMA- Intervenção de arte urbana,
inserida na "Semana Regional das Artes 2014" dinamizada
pela Direção de serviços de Educação Artística e multimédia.
O que se pretende com este projeto é permitir a elaboração
de uma intervenção artística numa árvore da Avenida Arriaga ou Avenida Zarco.
44
Recicl`Arte
Gi nca na C u lt u ra l
25 de abril – 40 anos
No passado dia 24 de abril realizou-se,
pela sétima vez consecutiva, a gincana cultural
organizada pelos professores de História da
nossa escola.
Este ano o tema principal foi o 25 de abril
mas também se lembraram os 100 anos da 1ª
guerra mundial e os 500 anos da criação da diocese do Funchal.
A prova contou com a participação de cerca de 500 alunos, 65 professores e 55 encarregados de educação que, divididos por equipas,
percorreram algumas ruas da nossa cidade, respondendo a questões sobre os temas em destaque.
O Museu Militar da Madeira, instalado no
Palácio de São Lourenço, colaborou nesta edição da prova e os alunos tiveram a oportunidade de visitar, ainda que muito rapidamente, as
instalações deste museu.
Mais uma vez os nossos participantes,
jovens e menos jovens, tiveram um comportamento exemplar deixando-nos a todos, organização e direção da escola, orgulhosos pela atitude demonstrada.
O Grupo 400 - História
Classificação
1º lugar
Cravos Vermelhos (7º1)
Clube Amigos Gincana Anual (8º1)
254 (9º1)
2º lugar
As M&M’S (8º3)
Os Vingadores (8º3)
Unidade Democrática (9º11)
3º lugar
Os Cravos (7º9)
45
Concurso de Fotografia
Exposição/Entrega de prémios do Concurso
de Fotografia
“Preservação do Ambiente e da Sustentabilidade da Terra”
O Clube de Fotografia organizou um concurso, destinado a promover práticas ambientais
conscientes e responsáveis, direcionado à
população escolar desde alunos, funcionários
e professores das escolas da RAM.
Este concurso tinha como objetivo promover
e consolidar o gosto pela fotografia e a incutir um compromisso de preservação do
ambiente e de sustentabilidade da Terra,
através de uma atividade que estimule o
envolvimento ativo de todas as comunidades
educativas regionais.
A cerimónia de entrega de prémios contou
com a presença do Diretor Regional do
Ambiente, do Coordenador do Desporto
Escolar e do Professor Miguel Sequeira da
UMA.
O Clube de Fotografia agradece a disponibilidade e a colaboração dos alunos do 9º3, à
aluna Leonor Pinto, ao Clube dos Buffets
Saudáveis e ao ecoHBG.
46
Clube de Fotografia
47

Similar documents